(Fonte da imagem: Reprodução/Kurzweil)

Considerado há anos como um dos elementos essenciais para o futuro da indústria dos eletrônicos, o grafeno sofre com o fato de suas características o impedirem de atuar da mesma forma que os chips semicondutores de silício. No entanto, essa limitação parece estar prestes a chegar ao fim graças a um time internacional de cientistas que descobriu uma nova forma do material com 10 vezes mais condutividade do que o visto anteriormente.

O segredo do novo formato é permitir que elétrons atuem como fótons. O material usado possui o mesmo arranjo em formato de colmeia formado por nanofitas de grafeno epitaxial normalmente usado para ilustrar a aparência do elemento. A diferença é o fato de o arranjo ter sido criado em moldes de carboneto de silicone com o auxílio de técnicas de microeletrônicos convencionais.

Tudo isso é aquecido a uma temperatura de aproximadamente 1 mil ° Celsius, o que faz o silicone derreter, resultando em nanofitas de grafeno com bordas perfeitamente lisas — característica que permite elétrons viajarem com virtualmente nenhuma resistência ambiente. “Esse elétrons estão se comportando de uma maneira muito próxima à luz”, afirma Walt de Heer, professor do Georgia Institute of Technology, um dos cientistas envolvidos no estudo.

Novas possibilidades para o mundo dos eletrônicos

“Isso funciona como a luz navegando por fibra ótica. Por causa da maneira como a fibra é fabricada, a luz é transmitida sem se dispersar”, explica de Heer. “Isso permite que cientistas criem interruptores que bloqueiam o fluxo de elétrons. No passado, eletrônicos feitos com grafeno não eram possíveis porque o material não possui nenhum bloqueio eletrônico de banda, a propriedade que controla os transistores tradicionais”, complementa.

Segundo o cientista, a nova descoberta “deve permitir criar eletrônicos de uma nova maneira”. A maneira como os elétrons viajam pelo novo material é tão surpreendente que pode abrir possibilidades nunca antes pensadas por pesquisadores da área. Agora, o time responsável pela novidade deve trabalhar no estudo do funcionamento das novas nanofitas com o intuito de determinar como elas podem ser aplicadas em produtos reais — somente então é que o novo material deve começar a ser construído em larga escala.

Cupons de desconto TecMundo: