Em meados de 2012, a Google anunciou o lançamento de mais um de seus serviços, o Google Knowledge Graph. O novo recurso aprimora o sistema de buscas da companhia, fazendo com que ele seja capaz de diferenciar com mais propriedade termos semelhantes entre si. A ideia é exibir mais informações na tela em menos tempo.

A tecnologia por trás do Knowledge Graph foi adquirida pela Google em 2010, e chama-se Freebase. Criada inicialmente pela Metaweb, a base de dados colaborativa é capaz de interligar informações de uma forma bem diferente. E isso está mudando a forma como o resultado das buscas é exibido.

O catálogo de todas as coisas

A ideia da Freebase veio de John Giannandrea, cofundador da Metaweb. O objetivo da base é que todas as informações estejam ligadas de alguma maneira, direta ou indiretamente. Com isso, a busca na internet pode ser mais inteligente do que atualmente.

(Fonte da imagem: iStock)

Quando você busca pelo nome de uma celebridade na internet, espera que o resultado seja uma lista de links que levem você a sites com informações a respeito da pessoa. Mas e se fosse possível visualizar alguns dados básicos do artista na tela do próprio buscador? Isso pouparia algum tempo para quem quisesse saber apenas o nome completo do famoso, por exemplo.

É justamente nessa coleta de informações rápidas que o Knowledge Graph e a Freebase entram. Para criar a base de dados, John Giannandrea começou a conectar palavras relacionadas. Ele começou pelo termo “ponte”, ligando-o com o nome das construções do gênero mais famosas, passando para “estrada”, conectando o nome das estradas que passam pelas pontes, seguindo para a cidade em que se localizam, depois país e assim por diante.

Depois de cinco anos sendo alimentada com dados, a base contava com 12 milhões de objetos interligados. Foi quando a Google se interessou pela Freebase e comprou a Metaweb. Depois do primeiro ano nas mãos da gigante da internet, a base tinha 25 milhões de termos.

Mas o que chamou a atenção da Google?

Obviamente, os dados. Se antes a empresa sugeria informações e propaganda baseadas em “experiências anteriores” e chutes, com a Freebase ela é capaz exibir mais informações corretas e realmente relevantes para quem utiliza os seus serviços.

(Fonte da imagem: iStock)

Com o Knowledge Graph, o Google ficou mais inteligente. Se você buscar por “Isaac Newton”, por exemplo, uma minibiografia do físico e matemático é exibida na coluna à direita da janela do navegador, trazendo apenas as informações mais relevantes a respeito desse ícone da ciência.

Se o que você queria era apenas saber a data de nascimento de Newton, sua busca por informações acaba já na página de resultados. Caso queira se aprofundar mais, aí sim os links exibidos são úteis.

(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

E o que mais muda?

O tráfego de acesso do Google para outros sites certamente sofrerá uma queda considerável. Antes, você não tinha muita escolha a não ser acessar uma das páginas listadas para obter a informação desejada, mesmo que fosse apenas uma data. Com o Knowledge Graph, isso não acontece com tanta frequência.

Ainda não há como prever qual será o real impacto que esse novo modo de busca da Google irá causar na internet. Mas sites e blogs que dependem dos acessos vindos do buscador certamente sentirão bastante diferença no número de acessos.

Cupons de desconto TecMundo: