Toda vez que um novo produto Google é lançado milhares de pessoas se comovem, lutam por convites, discutem, fazem apostas e todo tipo de oferta para ter uma barganha melhor e quem sabe receber o tal email dos sonhos.

Entretanto, todo o mistério que a maior empresa do ramo de internet faz em torno dos seus produtos pode causar alguns problemas e até mesmo encoraja alguns “espertinhos” a criar brincadeiras e fraudes.

Quem estava conectado à timeline do Twitter na manhã do dia 11 de fevereiro deve saber muito bem qual o tipo de comoção que aconteceu. Os rumores do lançamento de um tal de Orkut Ouro fez muita gente correr atrás de um convite.

Isso mesmo que o produto oferecido pedisse um pagamento mensal – mas não passava de uma fraude. Se isso aconteceu com um produto que nem sequer estava na lista dos originais da Google, quem dirá o que acontece com os legítimos.

O Orkut Ouro enganou muita gente!

Fonte: Reprodução

Não é difícil imaginar, visto que há alguns meses o lançamento do Novo Orkut gerou tanto barulho quanto o Google Wave e depois o Buzz. Mas nem tudo que causa frisson no início é um sucesso de utilização.

Você deve se lembrar de toda a bagunça dos convites para o Wave. Era gente fazendo qualquer negócio para poder testar o novo produto. Só que depois de alguns dias utilizando e quando finalmente você conseguiu quase descobrir para quê ele realmente serve, viu que não tinha muita gente com quem interagir.

O Google Buzz chegou com muitas dúvidas quanto ao seu uso!

Estranho não é? Coisa parecida anda acontecendo com o Google Buzz. Os usuários de Twitter não pretendem deixar o passarinho azul para começar a usar o balão multicolorido da Google. Apesar de oferecer integração com o Gmail e ainda permitir que você incorpore seus principais perfis em redes sociais (até mesmo o próprio Twitter), blogs e o Google Reader à sua timeline no Buzz, o serviço ainda não impressionou ninguém.

Mas depois de tanta coisa boa e outras que nós ainda não entendemos, o que será que a Google vem pensando em lançar no mercado de aplicativos web? Essa é uma pergunta bastante curiosa e  vale a pena ser investigada.

O laboratório nem tão secreto assim

Os laboratórios do Google!

Todo aquele charme de laboratórios, cientistas malucos e invenções fumegantes não combinam muito bem com o jeito Google de inventar novos produtos – isto é, exceto aqueles que algum dia serão o carro-chefe da empresa.

Então se você quer conhecer algumas das novidades, as portas do Google Labs estão abertas para quem desejar vê-lo. As áreas de criação são bastante grandes. Portanto, tome cuidado para não se perder.

As respostas para a tal pergunta interessante podem ser encontradas neste artigo que, sem dúvida alguma, é um dos mais curiosos que o Baixaki já produziu. Portanto, veja uma pontinha do futuro que a Google reserva a todos nós dentro de pouco tempo. É bom lembrar que algumas dessas novidades já podem ser testadas, basta clicar sobre a imagem de cada uma delas.
Googleografia intensa e supermapas

As aulas de geografia antes do Google Maps e Google Earth não eram tão divertidas quanto podem ser agora. Em vez de procurar em um globo comum, com tons pastéis, agora qualquer estudante com acesso a internet pode ver o relevo das cidades, traçar rotas e ainda aproveitar para explorar as ferramentas de teste que a Google vem lançando no Google Maps Labs. É muito simples fazer com que essas opções se tornem disponíveis no seu mapa.

Sempre que você acessar o Maps, observe o canto superior direito do conteúdo da sua janela. Se houver um frasco verde, como aqueles usados em laboratórios, clique sobre ele e aguarde a janela de novidades aparecer.

Ali você encontra uma série de coisas novas e divertidas para complementar o seu Google Maps. Um atributo muito interessante que pode ser implementado ao mapa é o questionário no qual é preciso associar a imagem de satélite ao nome do país em questão.

A geografia não é mais a mesma depois do Google!

Outro recurso muito interessante que pode ser adicionado é o “Arrastar e aplicar zoom”. É muito simples e não requer nenhum tipo de superconhecimento em mapas. Tudo o que você precisa fazer é clicar e arrastar, de maneira a desenhar um quadrado em volta da área desejada para zoom.

O recurso de zoom inteligente também ajuda bastante naquelas horas em que você quer aproximar uma área que não está disponível. Antes que você descubra isso só quando já tiver aumentado o zoom, o mapa alerta sem precisar chegar tão perto.

Vá de ônibus, o Google ajuda!

Não há coisa pior do que chegar a uma cidade completamente estranha e nova sem conhecer os caminhos para chegar aonde queremos. É confuso e o risco de ficar perdido é bastante grande. Mas se houver alguém para dar boas informações sobre as rotas e quais ônibus, metrôs ou qualquer outro tipo de transporte público pegar, fica tudo mais fácil, não é?

Vá de ônibus, o Google Transit ajuda!

É mais ou menos essa a intenção da Google. Agora as rotas de transporte público podem ser inseridas no seu Google Maps. Então, se você não é lá muito chegado a pedir informações para estranhos, o seu celular pode resolver bastante coisa. Uma consultinha breve e pronto!
Indexação de áudio

Não. Não se trata de mentiras, pegadinhas ou até mesmo algo tirado de livros e filmes de ficção científica. A indexação de áudio já é algo que promete bastante nestes novos planos da Google. Com a inclusão de aparelhos celulares – smartphones, mais precisamente – toda e qualquer contribuição no terreno do som pode ser extremamente importante. Então por que não investir em busca por trechos de áudio?

Já pensou em indexação de áudio?


Você já se imaginou digitando um trecho de uma palestra a qual você gostaria de ver o vídeo, ou então procurando alguma reportagem que contenha uma palavra-chave em específico? Pois é, o Google pode encontrar para você. Neste primeiro momento, o sistema está operando apenas com vídeos de políticos, mas em breve já poderá indexar a biblioteca completa do YouTube. Já imaginou?

Peça pelo códigos

Algumas das ferramentas mais versáteis que a Google poderia implementar ao seu sistema de buscas é o Code Search, ou seja, busca pelo código-fonte das páginas que já estão indexadas no seu banco de dados.

Imagine que você está estudando algum tipo de linguagem de programação e precisa encontrar referências do uso de um determinado comando ou então algumas linhas para usar de exemplo em algum trabalho. Este é o melhor jeito de encontrar o que você procura.

Procure pelo código fonte do site!

Afinal é muito mais rápido do que acessar página por página e então clicar com o botão direito para, através do menu de contexto, abrir a janela do código-fonte daquele site em questão. O que você está esperando?
Uma imagem que fala mil palavras

Todo mundo já ouviu o clichê “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Mas e quando essa mesma imagem acaba gerando as tais mil palavras? Com o Google Goggles o paradigma muda de ordem e a foto tirada com o seu smartphone Android pode dar informações importantes a respeito dos objetos que você fotografou. Isso é bastante simples de ser entendido para quem assistia a Pokémon. Basta lembrar da PokéDex que Ash usava em suas aventuras.

Sempre que o personagem encontrava um novo monstrinho, sua agenda informava os dados a respeito dele. O que acontece com o Google Goggles é semelhantee seu forte está em livros, pontos turísticos, logomarcas, obras de arte e uma série de outras coisas que já estão indexadas e outras que ainda não foram.

Uma pessoa está distante de outra por seis graus
Essa afirmação é quase uma lenda urbana. Mas será que é verdade mesmo? Desde o lançamento do Orkut, muita gente tem se dedicado a descobrir se estão a seis graus de separação de alguma personalidade.

Entenda que, nesse contexto, grau significa pessoa. Assim, você pode conhecer alguém, que por sua vez conhece outras cinco pessoas até chegar em Bill Gates, por exemplo. Estranho? Pode ser que seja verdade!

Encontre o grau de proximidade com alguém!

O Google People Hopper é um aplicativo para Orkut muito divertido e que serve justamente para isso, medir a proximidade entre as pessoas e os contatos que fazem o “meio campo” entre elas. Suponha que você é um jornalista e precisa entrevistar alguém muito famoso, mas não tem nenhum contato direto com essa pessoa.

Em outras circunstâncias mais formais, você deveria contatar a assessoria de imprensa dessa pessoa, mas com algo como o People Hopper, você pode procurar quem dos seus contatos está mais próximo do seu entrevistado e pedir informações a respeito dele. Parece estranho e muito fora do convencional quando se trata de procurar um entrevistado, mas pode virar tendência no futuro!

Uma mãozinha para o SEO

Se você ainda não ouviu falar em SEO é porque anda deixando de lado o seu direito de produzir sua própria informação pela internet. A sigla SEO significa “Search Engine Optimization” e consiste, basicamente, em utilizar técnicas relacionadas às palavras-chave e outros tipos de instrumentos para fazer com que o seu site ou blog seja melhor visto e ranqueado pelos buscadores como o próprio Google, Yahoo!, Bing e outros.

 

Digite as palavras chave as quais você quer encontrar correlatas!

Mas, se você já sabe o que é SEO e vem trabalhando algumas dessas técnicas para melhorar a sua relevância, saiba que o próprio Google pode dar uma mãozinha nessas horas. O Google Sets é uma ferramenta especializada em relacionar palavras chave para que você possa fazer uso de conteúdos afins àqueles que já estão listados nas suas tags. Ali você digita algumas palavras e gera uma lista – pequena ou grande – das palavras relacionadas ao seu tema.

Notícias de um jeito que você nunca viu!

O algoritmo de buscas do Google é um dos maiores segredos existentes na web. Embora muitos programadores já tenham conhecimento de parte dele, estima-se que mais de 200 elementos combinados entrem em ação quando você faz uma simples pesquisa por uma palavra.

O código desse algoritmo é dinâmico, ou seja, a cada semana são implementadas novas mudanças e corrigidos alguns itens, sempre buscando torná-lo mais completo e eficiente para o usuário. Um desses elementos se refere à web semântica.

Explicando: web semântica nada mais é do que uma tentativa do algoritmo de buscas para entender a razão da pesquisa de um usuário. Por exemplo, ao procurar no Google o termo “restaurante em Curitiba”, o código lista não apenas os restaurantes, mas também itens relacionados como serviços de táxi, preço de refeições, cardápios e outras opções complementares - possivelmente, relevantes.

Embora o Google já aplique itens como esse em sua busca desde meados de 2009, seu resultado ainda não é tão eficiente devido à falta de informações oferecidas no código dos próprios sites da web.

Assim como hoje existe o SEO – Search Engine Optimization (Otimização para mecanismos de busca) – em breve devem ganhar corpo algumas técnicas de SMO – Semantic Marketing Optimization – visando aproveitar melhor esse segmento.

Visual do Google Fast Flip

A web semântica não deve afetar apenas as suas buscas, mas também a maneira como você lê e recebe notícias. Uma das ideias disponíveis no Google Labs é o Google Fast Flip. Trata-se de um serviço para recebimento e leitura de notícias que permite visualizar simultaneamente a principal procurada assim como notícias relacionadas.

O visual é semelhante ao das páginas de acesso rápido, como os existentes nos navegadores Google Chrome e Opera – com a diferença que as miniaturas são atualizadas a cada carregamento de página. Assim, é possível determinar termos específicos para serem visualizados constantemente ou optar pelas novidades de cada busca em páginas relacionadas no Google News.

Suas compras nunca mais serão as mesmas

Outro serviço que ainda está em testes nos laboratórios do gigante das buscas é o Google Shopper. Similar ao Google Products, este recurso estará disponível em smartphones que operam com o sistema Android.

A proposta é exibir imagens do produto pesquisado, por meio da busca textual ou mesmo a partir de comandos de voz. O serviço está em testes apenas com livros, CDs, DVDs e videogames, mas a ideia é expandi-lo para outras variedades. A identificação é feito pelo código de barras.