Análise: phablet Samsung Galaxy Note 4 [vídeo]

18 min de leitura
Imagem de: Análise: phablet Samsung Galaxy Note 4 [vídeo]
Avatar do autor

É cada vez mais difícil diferenciar um “phablet” em relação a um smartphone. Inicialmente, considerava-se phablet aquele aparelho cujo tamanho de tela fosse intermediário, entre 5 e 7 polegadas. Porém, depois que o conceito foi criado, os smartphones cresceram, e hoje é comum encontramos modelos com telas de até 5,5 polegadas. Dessa forma, restou a seguinte classificação: um aparelho é um phablet quando o seu fabricante assim o considera, independente do tamanho de tela.

Nesse ponto, a Samsung deixa claro: o Galaxy Note é uma categoria à parte, não competindo diretamente com o seu campeão de vendas, o Galaxy S5. E como phablet mais vendido da atualidade, o Galaxy Note 4 chega à sua quarta geração mantendo o DNA que o consagrou junto aos consumidores: hardware robusto, acabamento premium e recursos extras relacionados à caneta S Pen stylus.

Porém, diferente do que acontecia no início, quando à época do lançamento de um Galaxy Note suas configurações de hardware se distanciavam dos concorrentes, agora os demais fabricantes já trabalham com aparelhos quase do mesmo nível e com preços mais acessíveis. Se por um lado o produto da empresa sul-coreana continua bom, por outro o consumidor ganhou mais alternativas, o que deve acirrar a disputa no final de ano.

Entre os modelos com Android, o Galaxy Note 4 é o mais caro entre eles, chegando às lojas com o preço sugerido de R$ 2.899. Porém, recursos extras não faltam para que a empresa possa justificar a validade do seu investimento. Mas será que vale a pena desembolsar quase R$ 3 mil no mais novo misto de celular e tablet anunciado pela Samsung? Isso é o que vamos descobrir agora nesta superanálise. O phablet Galaxy Note 4 foi cedido por empréstimo pela Cissa Magazine para a realização desta análise.

Evolução

O que mudou no Galaxy Note 4?

Além de refinar o design do produto, como já era esperado, a Samsung mexeu principalmente em itens de hardware, atualizando a linha Note para a atual geração. As mudanças foram mais sutis do Galaxy Note 3 para o Galaxy Note 4 do que a transição do Galaxy Note 2 para o Galaxy Note 3. Ainda assim, o resultado não deve decepcionar aqueles que estavam ansiosos pela quarta geração do aparelho.

O tamanho de tela foi mantido: 5,7 polegadas. A resolução, entretanto, aumentou consideravelmente, passando de Full HD (1920x1080 pixels) para QHD (2560x1440 pixels), o que fez com que a densidade de pixels saltasse de 386 ppi para 515 ppi. O espaço de armazenamento no Galaxy Note 3 estava disponível em duas versões: 32 GB e 64 GB. Desta vez, a Samsung optou por trazer apenas uma versão de 32 GB ao Brasil.

A linha Snapdragon de processadores, presente no Galaxy Note 3, ficou restrita aos modelos comercializados em outros países. A versão brasileira do Galaxy Note 4 vem equipada com o chipset Exynos 5433 e duas CPUs quad-core: a Cortex-A53 de 1,3 GHz e a Cortex-A57 de 1,9 GHz. A bateria teve um incremento mínimo, passando de 3.200 mAh para 3.220 mAh.

Por fim, a última mudança em termos de hardware pode ser conferida nas câmeras. A principal saltou de 13 megapixels para 16 megapixels, e a câmera frontal passou de 2 megapixels para 3,7 megapixels. Outra novidade é o leitor de impressões digitais, introduzido no Galaxy S5, que pela primeira vez aparece na linha Note.

Design

A nova Samsung

O lançamento do smartphone Galaxy Alpha marcou o início de uma nova linha de design nos produtos da Samsung. O acabamento de melhor qualidade, visto no Galaxy Gran Prime Duos, também pode ser conferido no Galaxy Note 4. Entram em cena os tons de cinza, a traseira em faux leather sem a simulação das costuras e as laterais em alumínio. O resultado é um aparelho alguns gramas mais pesado, mas aparentemente mais resistente.

Na parte frontal, o acabamento da tela é o grande destaque. O vidro está mais alto do que as laterais, o que permite uma leve curvatura nas bordas, denotando um acabamento de grande qualidade e sofisticação. O botão Home agora conta com o sensor de impressões digitais, o mesmo presente no Galaxy S5.

As laterais, construídas em alumínio, têm linhas retas, com curvas presentes apenas nas quinas do aparelho. Esse formato de construção torna a pegada mais firme, impedindo que o smartphone deslize com facilidade. Do lado direito estão os controles de volume, e, do lado esquerdo, está situado o botão Power. Na parte de cima há conexão para fones de ouvido e o sensor infravermelho. Na parte de baixo está a entrada para o cabo de força e o compartimento para a caneta stylus S Pen.

A parte traseira segue com a tampa removível em plástico. O acabamento é o mesmo da versão passada, o faux leather (couro falso), mas a simulação das costuras foi deixada de lado. Em linhas gerais, o aparelho está mais sóbrio e elegante, apostando no estilo executivo, menos jovial. As escolhas da empresa se mostram acertadas e adequadas para o aparelho que, sem dúvida, está entre os mais bonitos já lançados pela companhia.

Hardware

Testes de benchmark

Para a realização desta análise, submetemos o Samsung Galaxy Note 4 a cinco aplicativos de benchmark. São eles: 3D Mark (Ice Storm Unlimited), AnTuTu Benchmark 5, Basemark X, GFX Bench (T-Rex HD Offscreen) e Vellamo Mobile Benchmark (HTML5 e Metal).

Nos testes de benchmark, o Samsung Galaxy Note 4 se saiu muito bom, obtendo números expressivos em praticamente todos os aplicativos. Em termos de poder, embora não seja um concorrente direto por se tratar de um smartphone, aparentemente somente o Moto Maxx foi capaz de fazer frente a ele entre os dispositivos com Android. Confira os quadros comparativos em cada um dos testes.

3D Mark (Ice Storm Unlimited)

O teste Ice Storm Unlimited, do 3D Mark, é utilizado para fazer comparações diretas entre processadores e GPUs. Fatores como resolução do display podem afetar o resultado final. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

AnTuTu Benchmark 5

Um dos aplicativos de benchmark mais conceituados em sua categoria, o AnTuTu Benchmark 5 faz testes de interface, CPU, GPU e memória RAM. Os resultados são somados e geram uma pontuação final. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Basemark X

O Basemark X tem como foco principal mensurar a qualidade gráfica dos dispositivos. Baseado na engine Unity 4, o app aplica testes de alta densidade, mostrando qual dos aparelhos se sai melhor na execução de jogos. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

GFX Bench (T-Rex HD Offscreen)

O GFXBench é um aplicativo de testes multiplataforma que analisa o poder de processamento gráfico e computacional dos aparelhos. A API gráfica utilizada é o OpenGL ES e os testes se dividem em várias categorias diferentes. Para que seja possível comparar aparelhos de sistemas diferentes utilizamos os testes sinalizados como “offscreen”, em que a resolução de todos os testes é travada em 1080p internamente. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Vellamo Mobile Benchmark

O Vellamo Mobile Benchmark aplica dois testes ao aparelho: HTML5 e Metal. No primeiro deles é avaliado o desempenho do celular no acesso direto à internet via browser. Já no teste Metal, o número final indica a performance do processador. Quanto maior a pontuação, melhor é o desempenho.

Desempenho: pronto para qualquer tarefa

Não importa qual tarefa você pretende desempenhar com o seu Galaxy Note 4: qualquer uma delas será executada com tranquilidade pelo aparelho da Samsung. A versão escolhida pela empresa para o lançamento no Brasil conta com dois processadores, um quad-core Cortex-A53 de 1,3 GHz e outro quad-core Cortex-A57 de 1,9 GHz, totalizando oito núcleos. Some a isso 3 GB de RAM, e essa é a potência que você tem à disposição para suas tarefas.

Em nossos testes, em nenhum momento o Galaxy Note 4 apresentou algum tipo de lentidão ou travamento, mesmo durante a execução de tarefas que exigem maior capacidade de processamento. Games com alto potencial gráfico e até mesmo a transição entre apps com recursos multitarefa ativados não foram um problema para o aparelho.

Jogos como Real Racing 3, Homem-Aranha Sem Limites e Transformers 4, por exemplo, foram executados com naturalidade, não apresentando queda de frames ou atraso no tempo de resposta em nenhum momento. Aliás, essa tem sido uma característica comum a todos os aparelhos top de linha que testamos: eles aguentam os jogos mais pesados com muita tranquilidade, uma prova de que o hardware desta geração é mais do que suficiente para dar conta do conteúdo disponível na atualidade.

Interface: melhor, mas ainda longe do ideal

Desde o lançamento do Galaxy Alpha, já havíamos percebido algumas melhorias na interface TouchWiz. O mesmo pôde ser verificado no Galaxy Gran Prime Duos, e, felizmente, no Galaxy Note 4 a situação não é diferente. Vale lembrar que entre as interfaces customizadas das principais fabricantes, a TouchWiz ainda é a que mais consome RAM.

Dos 3 GB disponíveis, frequentemente você vai se deparar com 1,5 GB ocupado por arquivos de sistema e softwares exclusivos da empresa. Contudo, esses valores já foram muito mais altos, tendo a interface da Samsung consumido até 2 GB de 3 GB de RAM em lançamentos anteriores.

Mesmo o alto consumo, um problema crônico do software e que nada tem a ver com o hardware, não é suficiente para que o usuário seja prejudicado. Na prática, o sistema operacional é executado de forma fluida e suave. Sob nenhum aspecto desempenho será um problema para um proprietário do Galaxy Note 4.

Tela: Quad HD com Super AMOLED

Telas com resolução Quad HD (2560x1440 pixels) parecem ser a mais nova aposta da indústria para os smartphones e phablets tops de linha. O primeiro a trazer a novidade foi o LG G3, em um display LCD IPS. A Motorola não ficou atrás e incluiu o recurso no Moto Maxx, em um display OLED. Agora chegou a vez de a Samsung disponibilizar uma tela com a mesma resolução, mas em um display Super AMOLED.

A tela do Galaxy Note 4 conta com a matriz Diamond PenTile, que utiliza subpixels de vários tamanhos. Além disso, cada cor tem diferentes níveis de eficiência energética e durabilidade. A renderização dos subpixels é distribuída às cores primárias. O resultado dessa tecnologia para o consumidor é uma percepção menor da constituição dos pixels, com imagens mais uniformes e nítidas.

Entre os três aparelhos avaliados pelo TecMundo com a mesma qualidade de tela (Moto Maxx, LG G3 e Galaxy Note 4), a vantagem fica com o smartphone da Samsung. Embora ele exiba uma paleta de cores mais saturada, os níveis de contraste e brilho do display são significativamente melhores do que os outros dois displays. E isso que estamos falando das três telas que, provavelmente, têm as melhores resoluções da atualidade. Esse diferencial é claramente percebido na exibição de filmes ou na exibição de jogos.

Soma-se a isso o fato de que as bordas do vidro dão um efeito de ampliação ao conteúdo exibido na tela, especialmente pela curvatura das laterais. Um aspecto similar pode ser conferido nos modelos iPhone 6 e iPhone 6 Plus, e o resultado final, como mencionamos naquela ocasião, proporciona um aspecto mais confortável e mais imersivo para o espectador.

O Galaxy Note 4 é o primeiro dispositivo lançado a contar com a proteção Gorilla Glass 4, considerada o que há de mais moderno e resistente nesse quesito. A camada oleofóbica que recobre a tela evita que marcas de digitais fiquem gravadas no display com facilidade. O movimento de deslizar os dedos sobre a tela é extremamente suave e preciso e torna o uso do Galaxy Note 4 bastante confortável. Não é exagero nenhum afirmar que esse é o melhor display da categoria.

Duração de bateria

A bateria do Galaxy Note 4 é praticamente a mesma do Galaxy Note 3, uma vez que a capacidade foi aumentada em apenas 20 mAh. Entretanto, os 3.220 mAh propostos pelo fabricantes são condizentes com o gasto energético e com a estrutura do aparelho, o que torna o phablet bastante equilibrado neste quesito.

Em uso moderado, a duração de bateria chega com facilidade a um dia e meio ou até dois, em alguns casos. Por uso moderado, entendemos o aparelho com WiFi e 3G ativados e o manuseio apenas para checar emails, mensagens em redes sociais, navegação na internet e utilização eventual da câmera.

Em um teste de estresse, com exibição de vídeos em HD, com brilho no máximo e volume em 50%, o aparelho resistiu bem a dez horas de Netflix. Trata-se de uma marca considerável se levarmos em consideração que o produto tem praticamente a mesma capacidade do seu antecessor, mas conta com uma tela com o dobro de resolução. Sem dúvida, a Samsung fez um bom trabalho em termos de otimização de hardware e software para manter o bom nível que já havia alcançado na terceira geração do phablet.

Carregamento rápido e economia

Para quem deseja economizar um pouco mais da carga, há dois modos de poupar. O sistema permite que você ative o “Modo de economia de energia”, o mais indicado para uso no dia a dia, ou o “Modo Ultra economia”,  uma funcionalidade presente desde o Galaxy S5 e que permite que o aparelho mantenha em funcionamento apenas o básico do básico, aumentando consideravelmente o tempo de carga.

Por fim, embora não possua uma entrada compatível com cabo USB 3.0 para transferência mais rápida de dados, o aparelho agora ganhou um modo chamado “Carga rápida”. Com ele ativado, é possível levar a carga do seu phablet de 0% a 100% em apenas duas horas. A boa notícia é que diferente do que acontece no Moto Maxx, que possui um recurso similar, o aparelho não esquenta durante o processo.

Vale lembrar que o modo “Carga rápida” funciona apenas caso você utilize o carregador original fornecido pela Samsung junto com o aparelho, colocando-o diretamente na tomada. A recarga via USB no PC, como acontece em qualquer aparelho, é mais lenta, mas dentro de parâmetros normais e satisfatórios.

Áudio com qualidade razoável

Praticamente não há novidade alguma nesse quesito em relação ao Galaxy Note 3. A saída de áudio está localizada na parte traseira do aparelho. O posicionamento se mostra adequado, pois, mesmo durante a execução de jogos, dificilmente suas mãos vão abafar o som. A qualidade do áudio emitido é clara, com níveis altos de volume e baixo índice de distorção.

Os fones de ouvido que acompanham o produto são exatamente os mesmos que você encontra no Galaxy S5. A qualidade deles é razoável e deve suprir as necessidades da maioria dos consumidores. Entretanto, num comparativo com os fones fornecidos por aparelhos de outros fabricantes, notavelmente a Samsung fica atrás de marcas como HTC, Apple e LG.

Caneta S Pen

A caneta stylus S Pen está bastante parecida com a versão presente no Galaxy Note 3, porém ela foi redesenhada e ficou um pouco mais fina. Felizmente isso não afetou em nada a boa pegada que o acessório apresenta. Na prática, o consumidor acostumado com a S Pen do Note 3 percebe pouca diferença para o novo modelo presente no Note 4.

Se externamente as mudanças foram sutis, internamente ela está muito melhor. O modelo incluído no Galaxy Note 4 reconhece até 2.048 níveis de pressão, número que representa o dobro da versão anterior (a do Note 3 chegava a 1.024). Com isso, o traçado também está mais preciso, e é possível riscar uma linha com mais de 2 mil espessuras distintas, o que torna a caneta digital muito mais próxima da escrita convencional.

Câmera

As melhorias trazidas pela Samsung à câmera do Galaxy Note 4 são notórias. A resolução da câmera principal agora é de 16 megapixels, com a mesma abertura focal de 2.2. Entretanto, a novidade está no fabricante do sensor ISOCELL, usado também no Galaxy Note 3 e no Galaxy S5. Nos modelos anteriores, ele era fabricado pela própria Samsung. Já a versão presente no Galaxy Note 4 conta com a assinatura da Sony.

A soma das mudanças faz com que o nível de detalhe obtido pelas imagens capturadas com o aparelho seja um dos mais altos que já presenciamos em um phablet ou mesmo em um smartphone. O tempo de acionamento do software de câmera também é quase imediato, o que garante disparos mais precisos e próximos à sua intenção.

Além disso, o modelo é capaz de gravar vídeos 4K a 30 fps e em Full HD a 60 fps. Em nossos testes, não houve problema algum durante as gravações. O aparelho se aqueceu levemente durante a captura de imagens, mas em nenhum momento o calor chegou a níveis alarmantes. Em um comparativo rápido, poderíamos dizer que o Moto Maxx se saiu melhor nessa tarefa, mas o Galaxy Note 4 foi melhor do que o Sony Xperia Z3 nesse quesito.

A câmera frontal também recebeu melhorias, e sua resolução saltou para 3,7 megapixels. A abertura focal passou para 1.9 e, com maior capacidade de incidência de luz, o resultado são fotos melhores em ambientes com baixa luminosidade.

Acessórios: Capa S View

Há poucos acessórios oficiais para o Galaxy Note 4. Basicamente, se você quiser desembolsar um pouco mais com algo relacionado ao phablet, é possível comprar a Capa S View, disponível nas cores bronze, branca e grafite. Ela conta com bordas costuradas, e seu mecanismo é reconhecido automaticamente pelo smartphone, ligando e desligando a tela.

É possível ainda atender a chamadas, visualizar notificações e alarmes, controlar músicas e personalizar o papel de parede da pequena abertura na parte principal da tela, tudo isso sem precisar abrir a capa. O preço médio do acessório, que é vendido separadamente, é de R$ 200.

Software

A Samsung sempre foi conhecida por colocar muitos softwares adicionais em seus smartphones, e essa tradição não mudou: há muita coisa embarcada no aparelho, entre apps exclusivos e aplicativos de terceiros. Ainda assim, o número de itens é menor do que o que estava disponível em versões anteriores. Entretanto, por meio da loja oficial da Samsung é possível fazer o download de um grande volume de conteúdo gratuitamente.

A principal novidade fica por conta da inclusão do sensor de impressões digitais, recurso que estava presente somente no Galaxy S5. Por meio dele, é possível desbloquear o aparelho sem a necessidade de usar algum tipo de senha. A transição entre aplicativos via ferramenta também está mais moderna e mais próxima àquilo que pode ser conferido no Lollipop, versão mais recente do sistema operacional da Google.

Aliás, falando em atualização, o Galaxy Note chega ao mercado com o Android 4.4, mas com atualização garantida para a versão 5.0. Contudo, ainda não há uma data oficial para que isso aconteça. Em linhas gerais, há menos features no Galaxy Note 4 do que no Galaxy Note 3, mas de forma alguma isso pode ser considerado um problema, pelo contrário: o software está mais leve, e encontrar uma ferramenta se tornou uma tarefa mais objetiva.

Vale a pena?

Entre todos os modelos de phablet e smartphone disponíveis no mercado, o Galaxy Note 4 é o mais caro de todos. O preço oficial é de R$ 2.899, mas é possível encontrá-lo nas lojas nacionais por cerca de R$ 2,4 mil. Ainda assim, o valor é alto. Entretanto, inegavelmente o aparelho se posiciona como um dos melhores e mais potentes da atualidade, o que pode justificar o investimento.

As melhorias são perceptíveis em relação ao Galaxy Note 3. O design ganhou um acabamento mais resistente, e o hardware recebeu melhorias significativas. O desempenho está ainda mais fluido, e o consumo de RAM caiu. Entretanto, na prática, tanto o modelo anterior quanto o atual são suficientes para rodar com tranquilidade a grande maioria dos apps disponíveis na Play Store. Portanto, trocar a versão mais antiga pela nova não vai trazer tantos benefícios assim.

Contudo, sem sombra de dúvidas, o Galaxy Note 4 é o aparelho mais potente já lançado pela Samsung. Recursos como a tela Super AMOLED quad HD e a longa duração de bateria são alguns dos principais destaques. Em termos de software há pouca inovação, mas o aparelho agora conta com o sensor de impressões digitais, que até então era uma exclusividade do Galaxy S5. A caneta stylus S Pen está mais precisa, e sua sensibilidade dobrou.

Se você não se importa com um aparelho de tela grande (as 5,7 polegadas estão longe de ser um tamanho ideal para manuseio como acontece em um celular convencional), certamente vale a pena investir seu dinheiro no Note 4. A qualidade da tela, a duração de bateria e o ótimo desempenho em qualquer tarefa fazem do aparelho um dos melhores lançamentos de 2014.

FAQ

1 - O Galaxy Note 4 é à prova d’água?

Não. O Galaxy Note 4 não conta com nenhuma certificação que o torne resistente à água ou à poeira.

2 - O fato de o sensor da câmera ter um relevo na traseira do aparelho chega a ser algo incômodo?

De forma alguma. Quando colocado sobre a mesa, o aparelho se mostra bastante estável. Em uso cotidiano, em momento algum essa característica se mostrou um problema.

3 - O Galaxy Note 4 conta com sensor de impressões digitais?

Sim. O Galaxy Note 4 conta com o mesmo sensor de impressões digitais que está presente no Galaxy S5.

4 - O Galaxy Note 4 esquenta muito?

Em nossos testes, percebemos que o aparelho ficou um pouco mais quente durante a gravação de vídeos em 4K e durante a execução de softwares de benchmark. Entretanto, a temperatura atingida está muito longe de ser considerada um problema, portanto pode ficar tranquilo quanto a isso.

5 - Eu terei algum ganho de desempenho se migrar do Galaxy S5 ou do Galaxy Note 3 para o Galaxy Note 4?

Sim, você terá. A diferença é mais perceptível no comparativo do Galaxy S5 com o Galaxy Note 4. Vale a pena trocar o modelo mais antigo pelo novo. Já no comparativo entre o Galaxy Note 3 e o Galaxy Note 4, a diferença é menor e, se você já possui a terceira geração do phablet, talvez seja melhor esperar um pouco até que o preço fique mais baixo.

6 - Vale a pena comprar o Galaxy Note 4 no exterior?

No Brasil, o Galaxy Note 4 tem como preço oficial o valor de R$ 2.899. Nos Estados Unidos, a versão desbloqueada sai por cerca de US$ 800 (o equivalente a R$ 2.020, sem impostos). Além disso, é preciso ficar atento à versão do aparelho que você compra. Nem todas são compatíveis com o 4G brasileiro, mas o modelo internacional desbloqueado funciona perfeitamente no nosso país. Como por aqui já é possível encontrar o Galaxy Note 4 por um preço médio de R$ 2,4 mil, na prática sua economia deve ficar entre R$ 300 e R$ 400.

7 - O Galaxy Note 4 conta com sensor infravermelho?

Sim, esse recurso está presente no aparelho. Você pode utilizar o phablet como controle remoto da sua TV.

8 - O Galaxy Note 4 terá atualização para o Android 5.0?

Sim, a Samsung já confirmou que o aparelho será atualizado para a próxima versão do Android. Porém, ainda não há uma data oficial e nem uma estimativa de quando isso vai acontecer.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Análise: phablet Samsung Galaxy Note 4 [vídeo]