Um trabalho conjunto de pesquisadores da Queen’s University, em Ontario, Canadá, e da Universidade Estadual do Arizona, nos Estados Unidos, o PaperPhone é um smartphone bem diferente do tradicional. Possuindo a mesma espessura de uma folha de papel, o aparelho é capaz de realizar ligações, enviar mensagens e permitir a leitura de livros digitais.

Segundo dos um dos inventores do PaperPhone,  Roel Vertagaal, o aparelho não só possui a aparência de uma folha de papel, como emula com perfeição a sensação tátil do material. A interação se dá através de toques do usuário, que pode dobrar o aparelho para usá-lo como um telefone ou usar uma caneta para escrever um recado, por exemplo.

O futuro da computação

O dispositivo possui uma tela E-ink de 9,5 centímetros, capaz de acessar com eficiência as principais funções esperadas em um smartphone. Diversas ações podem ser programadas para realizar diferenças funções: por exemplo, virar uma página pode avançar a leitura de um livro, exatamente da mesma forma que é feita no meio tradicional.

O PaperPhone será apresentado ao público pela primeira vez no dia 10 de maio, durante a conferência CHI 2011, realizada pela Associação de Mecanismos de Computação de Vancouver. Segundo Vergataal, o projeto indica os rumos que a computação deve seguir nos próximos anos, conforme escritórios e escolas abandonam os meios que usam papel e favorecem ambientes digitais.