(Fonte da imagem: Reprodução/New Journal of Physics)

No ano passado, a equipe de pesquisa comandada pelo professor Dr. Andrea Alu anunciou a criação do primeiro “manto” da invisibilidade 3D no espaço livre. Agora, a novidade é ainda mais encantadora e pode fazer sua imaginação percorrer todas as cenas de filmes de ficção: a equipe conseguiu desenvolver um dispositivo muito mais discreto, desta vez realmente parecido com um manto.

O projeto inicial funcionava apenas na faixa de micro-ondas, um feito que marcou uma nova era em testes de invisibilidade, que antes se limitavam ao funcionamento 2D. No entanto, o sistema era bastante volumoso, ou seja: embora a camuflagem funcionasse, o aparelho responsável pela ação dificilmente passaria despercebido.

A nova versão do manto da invisibilidade tem apenas alguns micrômetros de espessura, o que faz com que ele seja mais fino do que uma folha de papel. Assim como o projeto inicial, o sistema permite que você esconda objetos em todas as direções, independentemente do posicionamento do observador.

O manto da invisibilidade na prática

Durante os testes do novo sistema, a equipe do professor Alu foi capaz de esconder um cilindro plástico de 18 centímetros de comprimento por 3 centímetros de diâmetro. Uma das possibilidades de uso do sistema seria a de aplicar o material juntamente ao revestimento para cobrir materiais que precisam ficar escondidos.

Segundo Dr. Andrea Alu, uma das maiores vantagens desse sistema de camuflagem seria “a sua conformabilidade, facilidade de fabricação e largura de banda otimizada (...). Você não precisa de um metamaterial volumoso para cancelar a reflexão (da luz) de um objeto”. Para ele, as possibilidades são infinitas: “Isso poderá trazer grandes benefícios para os equipamentos biomédicos e ópticos”.