HAL 9000, o computador consciente de 2001: Uma Odisséia no Espaço (Fonte da imagem: Reprodução/Warner Bros)

A ficção científica sempre trouxe a possibilidade de humanos salvarem suas consciências em máquinas, começando o debate sobre a imortalidade. Cientistas estudam há certo tempo se é possível ou não enviar todo o conteúdo de um cérebro para um computador. Agora, um neurocientista do Duke University afirma que a chance disso acontecer é nula.

Segundo uma entrevista à MIT Technology Review, o neurocientista Miguel Nicolelis, da Duke University afirma que a teoria da singularidade tecnológica é apenas um sonho, algo que nunca sairá do universo da ficção científica. Para Nicolelis, o cérebro não tem padrões computáveis, sendo que não existe engenharia que possa reproduzir seu funcionamento.

Nicolelis vai um pouco além e critica aqueles que afirmam que será possível que máquinas armazenem ou criem consciência. Para o neurocientista, você poderia ter todos os chips do mundo e ainda assim não conseguiria realizar esse feito. Para ler a reportagem do MIT Technology Review com o especialista, clique aqui (em inglês).