(Fonte da imagem: Reprodução/The Verge)

Seres humanos vêm fazendo centenas de cápsulas do tempo para futuras gerações ao longo da história, mas desta vez um artista levou o assunto a sério. Trevor Paglen criou um projeto chamado “As últimas fotos”, que se trata de uma coleção de 100 fotografias em preto e branco para mostrar o impacto cultural da raça humana.

Depois de gravar tudo em um disco com um escudo dourado, o artista enviou o material em órbita geoestacionária (de órbita circular, posicionada exatamente sobre o equador). O material foi projetado para sobreviver por bilhões de anos. Assim, mesmo depois de a Terra como conhecemos deixar de existir, o satélite permanecerá em órbita, até que novas civilizações (terrestres ou não) encontrem o material.

Em uma visão apocalíptica, Paglen explica que a coleção “não foi feita para explicar a um alien o que são os seres humanos, nem mesmo tem a pretensão de ser um registro definitivo da raça humana. Ela é uma coletânea de imagens que explicam a alguém, no futuro, o que aconteceu com todas as pessoas que constroem as naves mortas em órbita da Terra e como elas se mataram”.