Assistir a um concerto sinfônico em um auditório planejado para isso já é uma experiência espetacular, mas a sala Elbphilharmonie, em Hamburgo, na Alemanha, promete elevar essa experiência a novos patamares. Além de um projeto arquitetônico propício para a propagação sonora, um algoritmo de computador criou uma tecnologia ainda mais impactante.

Foram investidos US$ 843 milhões em um auditório que parece ser bem futurístico. A sala tem 2.150 lugares e curvaturas que impedem a entrada do som externo, tudo pensando em proporcionar uma experiência mágica! Além disso, o próprio som da orquestra não escapa para fora, impedindo que os "vizinhos" se incomodem.

E a magia suprema fica a cargo de mais de 1 milhão de pequenas estruturas côncavas que adornam as paredes do auditório. Elas foram programadas para espalhar o som por todos os lugares da sala de uma maneira mais uniforme. Manualmente seria quase impossível criar algo desse tipo, por isso um algoritmo acústico foi elaborado para desenhar essas estruturas.

Um dos painéis antes de ser instalado na sala de concerto: é possível ver centenas de buracos que ajudam a criar uma experiência inesquecível

O projeto é do engenheiro acústico Benjamin Koren, que trabalhou com um dos maiores gênios do ramo, Yasuhisa Toyota. Com um mapa do auditório, foi possível determinar em que lugar ficaria cada painel com as estruturas côncavas que aumentam a qualidade sonora do concerto. Cada um desses pequenos buraquinhos tem uma função específica na propagação sonora. Chamado de projeto paramétrico, os painéis possuem estruturas que variam de 4 a 16 centímetros de diâmetro, dependendo de onde seriam instalados na Elbphilharmonie.

O concerto de abertura da nova sala aconteceu no dia 11 de janeiro, e as características acústicas criaram uma experiência imersiva, disse o editor de música Rick Fulker. “Do meu ponto de vista, o palco estava muito baixo; mas, apesar da distância da fonte da música, eu tive a sensação de sentar no meio dela”, explicou.

Você pode assistir à apresentação inaugural abaixo, mas, é claro, não terá a mesma experiência de quem estava ao vivo no local: