(Fonte da imagem: Hoverbike)

O australiano Chris Malloy desenvolveu um protótipo de motocicleta voadora que, em teoria, é capaz de alcançar altura de mais de 3 mil metros, com uma velocidade máxima de 278 quilômetros por hora. A Hoverbike só deve passar pelo primeiro teste de voo em questão de alguns meses.

A invenção é resultado de um trabalho desenvolvido durante dois anos e meio na garagem de Malloy. O resultado é uma motocicleta voadora construída a partir de um corpo de fibra de carbono reforçado por Kevlar, com espaço somente para acomodar o piloto. No lugar das rodas estão dois propulsores rotatórios feitos de uma mistura de carvalho da tasmânia e fibra de carbono reforçada.

O controle de movimentação é feito totalmente através dos guidons do veículo. Enquanto a mão direita fica responsável por aumentar ou diminuir a velocidade, a esquerda é responsável por determinar a inclinação da moto e propulsioná-la para frente ou para trás. Para virar a motocicleta voadora, basta virar o guidom na direção desejada, assim como acontece na versão terrestre do meio de transporte.

Segurança no ar

Para garantir a segurança da Hoverbike, Malloy certificou-se de que a maioria dos componentes contasse com sistemas de tripla redundância, como forma de evitar falhas de comunicação possivelmente fatais. O inventor também pensa em incluir dois paraquedas aos propulsores do veículo, além de obrigar o usuário a utilizar um dispositivo de segurança próprio.

(Fonte da imagem: Hoverbike)

Antes de realizar os primeiros testes práticos, o inventor pretende incluir diversos giroscópios ao veículo. Além de planejar melhorias para os controles, assegurando uma maior estabilidade durante os voos, Malloy não descarta a inclusão de um computador responsável por controlar funções e evitar que pilotos novatos sofram acidentes. Da mesma forma, uma cobertura para os propulsores deve ser incluída, evitando assim que pessoas se aproximem das lâminas giratórias.

Como a Hoverbike pode ser considerado um veículo ultraleve, não será preciso adquirir uma licença de piloto profissional para utilizar a novidade. A expectativa é que o veículo seja produzido inicialmente com uma tiragem inicial de 100 unidades por ano, a um preço aproximado de US$ 40 mil. Porém, ainda não há previsão de quando a produção comercial da invenção se tornará realidade.

Tecnologia suspeita

Mesmo dispondo de diversas fotos e de um site oficial dedicado ao projeto, ainda há muitas suspeitas quanto à veracidade do projeto. Isso se deve à falta de qualquer vídeo que registre os testes realizados até o momento, o que só se torna mais suspeito devido às desculpas postadas por Malloy na página do projeto, alegando que problemas técnicos o impediram de registrar imagens da invenção em funcionamento.