A Associação Internacional de Transporte Aéreo está estudando formas de implantar um novo “departamento de checagem do futuro” nos aeroportos de todo o planeta. O sistema de sensores deixa de lado os raios-x invasivos e também os (mais invasivos ainda) pedidos para que os passageiros tirem algumas peças de roupas ou sapatos.

Se você já viajou de avião, sabe que em alguns aeroportos é bastante complicado passar pela segurança sem ser “invadido” pela fiscalização. É fato que esse tipo de fiscalização é muito importante para que aviões não sejam sequestrados ou até mesmo explodidos (após os ataques de 11 de setembro de 2001, a tensão tomou conta do mundo). O problema é que, em alguns casos, passageiros inocentes precisam passar por situações constrangedoras.

O sistema futurista

Com os novos checkpoints, sensores são dispostos por três corredores. Eles são destinados a três perfis diferentes de passageiros (passageiros conhecidos, normais e de segurança adicional, escolhidos pelos fiscais ou policiais responsáveis). Pelo corredor, há sensores responsáveis por cada tipo de objeto (roupas, líquidos, metais, armas e outros).

(Fonte da imagem: The Wall Street Journal)

Mas antes de passar pelos sensores, é necessário passar por um scanner que verifica os olhos e também o passaporte do passageiro. Se estiver tudo em ordem com a documentação, o processo pode ser concluído. Vale lembrar que, em caso de suspeitas, os policiais ainda poderão pedir para as pessoas se dirigirem às salas reservadas.

O vídeo que abre esta notícia é do Telegraph (jornal da Inglaterra) e ilustra o que foi explicado na matéria. O sistema ainda não é aceito por unanimidade, mas pelo menos já começa a despertar o interesse de boa parte dos responsáveis pela segurança em aeroportos. Nos próximos anos, devem ser feitos testes para verificar a confiabilidade do sistema.