(Fonte da imagem: Reprodução/Foxconn)

A justiça chinesa decidiu na última quinta-feira (13) que a Foxconn não deve se responsabilizar pelo acidente que custou parte do cérebro de um de seus ex-funcionários. Em 2011, o engenheiro de 26 anos Zhang Tingzhen teve que remover parte de sua massa encefálica após sobreviver a um choque elétrico em outubro do mesmo ano.

A família de Zhang entrou com um processo contra a empresa após receber uma mensagem de texto em que a companhia afirmava que iria parar de pagar as contas médicas do empregado em um hospital de Shenzhen. O benefício só seria mantido caso ele fosse transferido para Huizhou, suposto local de sua contratação.

Zhang Guangde, pai do funcionário, insistiu que seu filho foi contratado em Shenzhen, onde os salários e benefícios pagos aos funcionários supostamente são maiores do que aqueles oferecidos na outra região. A Foxconn afirma que a única diferença entre os dois locais é o suporte médico dado aos empregados, algo que estava sendo levado em conta no tratamento de Zhang Tingzhen.

Ativistas chineses afirmam que a conduta da companhia é algo comum no país, no qual pessoas que trabalham em cidades do interior recebem salários menores. Muitos dos que são contratados nesses lugares acabam sendo transferidos para metrópoles, nas quais sua carga de serviço é ampliada, porém os benefícios permanecem exatamente os mesmos.

Cupons de desconto TecMundo: