Por que somos viciados pelo Facebook? A Ciência explica

1 min de leitura
Imagem de: Por que somos viciados pelo Facebook? A Ciência explica
Imagem: Metro
Avatar do autor

Você é parte das milhões de pessoas que simplesmente não conseguem mais ficar sem o Facebook por perto durante uma parte sequer do dia? Não se preocupe. Segundo cientistas, seu vício pela rede de Mark Zuckerberg – ou de qualquer outra rede social, na verdade – não é sua culpa; isso, na verdade, é simples resultado da nossa evolução.

De acordo com o professor Bruce Hood, da Universidade de Bristol, tudo teve início em torno de 20 mil anos atrás, no período em que nossos cérebros começaram a encolher. Durante esse período, nós acabamos por nos tornar mais “domesticados” e sociáveis, e isso, por sua vez, nos fez grandes apreciadores de fofocas.

Com isso, o Facebook acaba por se mostrar a ferramenta perfeita para nos relacionarmos com o maior número possível de pessoas. “O fato que muitas pessoas têm uma compulsão em engajar com montes de pessoas pela mídia social não é realmente tão surpreendente”, explicou o professor. “Nossos cérebros evoluíram para sermos animais sociais”, continuou.

Mais conectado, mas mais fechado

Hood nota, no entanto, que as redes sociais vêm trazendo um efeito colateral bastante negativo para a humanidade. Isso porque, no lugar de nos ajudar a nos conectar às pessoas e expandir nossos horizontes, nossa tendência é exatamente a contrária, nos fazendo afastar por completo do que nos desagrada.

“O que é interessante é que você pode pensar que a maior exposição a diferentes visões que a mídia social traz nos faria muito mais mente-aberta. O que nós vemos na realidade é o oposto. Pessoas parecem mais suscetíveis a cair em grupos de pensamento de nicho online do que na vida real.”

Você se considera viciado no Facebook? Comente no Fórum do TecMundo

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Por que somos viciados pelo Facebook? A Ciência explica