Pesquisadores da Scuola Sant'Anna (Itália) e da EPFL (Suíça) estão desenvolvendo um exoesqueleto que evita a queda de idosos. A ideia é que o exoesqueleto entregue a força necessária para que as pessoas mais velhas consigam se manter em pé com mais facilidade, e não se sintam inseguras ao caminhar.

A cada 19 minutos, um idoso morre porque caiu

Como notou o TNW, os dados que envolvem quedas de idosos são alarmantes nos EUA: a cada 11 segundos, uma pessoa com mais de 65 anos recebe tratamento hospitalar por ferimentos/traumas derivados de uma queda. Pior, a cada 19 minutos, um idoso morre porque caiu.

No Brasil, os dados indicam que mais de 30% dos idosos a partir de 65 anos caem pelo menos uma vez ao ano. Dentro deste número, entre 5% e 10% têm lesões graves como fratura, traumatismo craniano e lacerações sérias, que diminuem a mobilidade e a independência do idoso, como mostra um estudo da PUC-RIO.

O objetivo é tornar o exoesqueleto mais leve, discreto e portátil para o idosos

Sobre o exoesqueleto sendo desenvolvido, os pesquisadores comentaram que ele é um "o protótipo de um exoesqueleto inteligente, leve e de fácil personalização que contrapõe a falta de balanço promovendo uma recuperação após uma escorregada acidental". Em um vídeo, os criadores explicam que a estrutura pode detectar mudanças bruscas no padrão do andar, atacando exatamente neste ponto.

De acordo com Silvestro Micera, um dos pesquisadores do projeto, a ideia de desenvolvimento, agora, é tornar o exoesqueleto mais leve, discreto e portátil para o idosos. Você pode acompanhar aqui embaixo um vídeo mostrando mais sobre a iniciativa.

Cupons de desconto TecMundo: