Uma molécula chamada fulvalene diruthenium é a responsável por este novo tipo de energia que está sendo pesquisada no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos. Ela é responsável por uma nova utilização da energia solar, de forma mais duradora e estável.

Quando absorve a luz do sol, esta molécula tem sua estrutura modificada. Ela pode se expandir como uma borracha e armazenar energia pelo período desejado, ficando estável e mais segura por tempo indeterminado.

Para voltar ao seu estado inicial, ela precisa de adição de calor e catalisadores. Durante este processo, a molécula libera a energia previamente armazenada. Esta é apenas uma breve descrição do processo descoberto pelos pesquisadores do MIT.

Segundo o pesquisador Jeffrey Grossman, o processo completo é capaz de produzir bateria recarregáveis através da luz solar. Este tipo de armazenamento de energia pode liberar até 200 °C de calor, o suficiente para esquentar uma casa inteira.

Esta pesquisa foi divulgada na revista acadêmica Angewandte Chemie. Grossman afirma que a fulvalene diruthenium ainda é uma molécula muito cara para se trabalhar, mas que eles buscam por outras substâncias que tenham as mesmas características para tornar o processo mais acessível.

Se esta busca der resultados positivos, poderemos, em breve, utilizar novos tipos de baterias recarregáveis e muito potentes, utilizando apenas a luz solar. O cientista afirma que “o material é errado, mas nos mostra que isto pode ser feito”.