Um conceito criado por um quarteto de designers britânicos (Hareth Pochee, Adam Khan, Louis Leger e Patrick Fryer) está fazendo bastante sucesso na internet por conta de seu design inusitado.

Como você pode ver na imagem que abre esta matéria, estamos falando de uma escultura gigante que imita um eider-edredão – espécie de pato que pode ser encontrado em abundância na Europa e no Canadá. Mais do que simplesmente enfeitar a região portuária de uma cidade costeira, o invento chama a atenção por ser construído com centenas de painéis solares capazes de captar a radiação do Sol e transformá-la em energia elétrica.

Além disso, a curiosa escultura também conta com geradores hidroelétricos em sua região inferior – durante a noite, o pato “afunda” levemente até que uma quantidade necessária de água entre na região de tais turbinas. Posteriormente, um sistema de tubos se encarrega de dispensar o líquido de volta para o mar até que a esculture volte para seu nível de flutuação convencional.

O projeto foi desenvolvido para o Land Art Generator Initiative (LAGI), uma espécie de concurso para conceitos que misturem artes visuais e tecnologias para captação de energia renovável. A escultura foi projetada para a cidade de Copenhague, na Dinamarca, que pretende ser a primeira capital neutra em emissões de carbono até o ano de 2025. Vale observar, contudo, que o pato gigante não passa de um conceito e não há sequer previsões para que ele seja construído de verdade.