A Universidade de Melbourne, na Austrália, apresentou um novo tipo de impressora que promete revolucionar a obtenção de energia solar em todo o planeta.

O projeto consiste em um grande equipamento capaz de imprimir até dez metros de painéis solares por minuto.

A ideia do sistema foi desenvolvida por um consórcio chamado VICOSC – Victorian Organic Solar Cell Consortium, composto pela já citada Universidade de Melbourne em conjunto com o CSIRO Molecular and Health Technologies e Universidade Monash.

Imprimindo energia

A impressora trabalha utilizando técnicas já conhecidas de impressão, funcionando como se estivesse produzindo estampas em camisetas, por exemplo. A diferença é que ela é capaz de colar em painéis (de plástico ou aço) um polímero composto especialmente de um novo tipo de célula orgânica que obtém energia solar.

Essas células trazem moléculas de hidrocarbonetos capazes de gerar efeitos fotovoltaicos e, assim, converter a luz solar em corrente elétrica. Atualmente, as lâminas criadas por meio do sistema são capazes de produzir 80 W de energia no laboratório (em condições “perfeitas”) e entre 10 e 50 W em condições reais de funcionamento.

A Austrália é um dos países que mais investe em novas tecnologias de obtenção de energia solar. A nação decidiu renovar totalmente o abastecimento residencial de todo o país, fazendo com que todas as casas recebam somente a corrente produzida por meio da energia solar. Isso, além de ser ambientalmente mais correto, também impactaria em uma redução de mais de 70% no preço das contas de luz dos australianos.