Ampliar (Fonte da imagem: SpaceWorks Engineering, Inc.)

Esqueça o conceito de energia solar como você conhece hoje: nos próximos dez anos, é muito provável que tenhamos reatores na órbita da Terra convertendo os raios de sol em energia, diretamente do espaço. Parece até cena de um filme de ficção científica, mas é a realidade prevista por um estudo revelado pela International Academy of Astronautics.

De acordo com a pesquisa, a próxima década será marcada por um avanço tecnológico que permitirá a substituição dos tradicionais painéis de captação de raios solares por placas localizadas em pequenas “usinas espaciais”. A ideia é exatamente ampliar o que já é feito com os satélites, que usam esse mesmo “combustível” para se manter em órbita ao redor do planeta.

Mas por que mudar o que já está sendo feito? Para a International Academy of Astronautics, o método atual não consegue aproveitar todo o potencial do sol, pois não é possível armazenar os raios de energia durante a noite ou em dias chuvosos. Sendo assim, levar as placas para o espaço permitirá uma melhoria no aproveitamento.

O desafio agora é tirar o conceito do papel e viabilizá-lo para a próxima década. Além disso, o plano é fazer com que até 2041 esse tipo de recurso seja barato o suficiente para que seu uso seja popularizado.