No futuro, a própria tinta poderia ser o painel solar (Fonte da imagem: Universidade do Oregon)

Uma equipe de engenheiros da Universidade Estadual do Oregon, Estados Unidos, desenvolveu uma nova técnica que poderia revolucionar a indústria de painéis solares no futuro. O método utiliza o mesmo princípio da impressão por jato de tinta para compor as células, reduzindo dramaticamente o desperdício de materiais e diminuindo muito os custos de produção.

O projeto foi focado no uso do CIGS (acrônimo para cobre, gálio, índio e selênio) como material principal, mas utilizando uma abordagem diferente das atuais, que usam vapor pressurizado para compor as células. A grande vantagem do método desenvolvido é a redução de mais de 90% do desperdício de matéria-prima na fabricação, além de ela ser muito mais rápida.

Segundo o professor de engenharia química e ambiental, Chih-hung Chang, essa é a primeira vez que alguém obteve resultados positivos na produção de fotocélulas CIGS usando a tecnologia. Mas os painéis produzidos ainda são inviáveis para a fabricação em massa, já que possuem uma eficiência menor que 5%.

O especialista afirma que melhorias no projeto podem elevar a eficiência para 12%, tornando-a ideal não só para serem produzidas por “impressoras de painéis” em grande escala, mas também para ser borrifado diretamente em superfícies expostas, como telhados e paredes em edifícios.