Imagem de: Com vitória de Dilma, nordestinos sofrem preconceito em redes sociais
Fonte: Metalúrgicos de Minas

Com vitória de Dilma, nordestinos sofrem preconceito em redes sociais

2 min de leitura
Avatar do autor

Angariando 51,63% dos votos no segundo turno das eleições de 2014, a presidenta Dilma Rousseff foi reeleita na tarde deste domingo (26). A notícia de que o Partido dos Trabalhadores (PT) continuará no governo federal por mais quatro anos revoltou alguns internautas e causou uma onda de publicações preconceituosas em redes sociais como Facebook e Twitter. Os estados do Norte e Nordeste do país foram os principais alvos dos internautas.

Para entender o caso, é necessário observar antes de tudo que essas duas regiões foram de máxima importância para a vitória da candidata petista. De acordo com informações oficiais, 71,69% da massa eleitoral do Nordeste votou em Dilma, enquanto apenas 28,31% votou em Aécio Neves. A situação no Norte foi parecida: 58,9% dos cidadãos decidiram reeleger a presidenta, enquanto 41,1% se mostrou favorável ao político tucano.

Com isso, aqueles que ficaram insatisfeitos com os resultados das eleições achou viável colocar a culpa no povo nordestino, espalhando mensagens de ódio e publicações discriminatórias na rede. Conforme explicamos neste artigo dedicado, o preconceito manifestado em ambientes virtuais pode sim ser punido de acordo com a lei brasileira, mas somente se for possível comprovar que aquela demonstração momentânea de ódio faz parte de uma convicção do indivíduo.

O contra-ataque

Contudo, não demorou muito para que alguns internautas organizassem algumas campanhas em defesa do povo nordestino. A hashtag #SouDoNordesteMesmoEComOrgulho, por exemplo, está em segundo lugar na lista de “Assuntos do Momento” no Twitter. Alguns usuários da rede social até mesmo estão fazendo brincadeiras com a tranquilidade típica do Nordeste e com a crise hídrica enfrentada pelos paulistanos.

O que fazer nessas situações?

Conforme explicamos anteriormente, qualquer pessoa pode denunciar um comportamento preconceito utilizando a própria internet. É possível, por exemplo, contatar a Polícia Federal através do Facebook e Twitter, além de denunciar as publicações impróprias para as equipes de moderação responsáveis pelas próprias redes sociais.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Com vitória de Dilma, nordestinos sofrem preconceito em redes sociais