A não ser que você tenha passado os últimos anos em uma bolha sem contato algum com o mundo aqui fora, você sabe que a indústria fonográfica está em declínio. Cada vez mais as gravadoras e os CDs estão perdendo espaço para a pirataria e por inovações na forma de se vender música, sendo por meios independentes ou através de autopromoção na internet.

Talvez a indústria livreira tenha aprendido com os erros do companheiro musical e por isso está adaptando sua venda a novas tecnologias e ao gosto da geração que está acostumada a ler na tela do computador.

O fato é que muitas empresas perceberam o potencial dos e-readers (ou leitores digitais) e começam a investir pesado em novas formas de agradar o público. Neste artigo vamos mostrar os últimos lançamentos na área dos leitores virtuais e as tendências para 2010. Acompanhe este apanhado geral e divirta-se sonhando com seu próximo aparelho eletrônico!

Kindle

Kindle Internacional em sua melhor formaPor ser o mais conhecido da categoria, o Kindle é sempre a primeira opção de compra da maioria dos consumidores. Além disso, o e-reader é marca da Amazon, um dos maiores vendedores virtuais de livros no mundo, o que faz dele o leitor com um grande número de livros em seu acervo.

Porém, com a chegada das concorrentes, a hegemonia deste gigante passa a ser ameaçada. Mas não pense que a Amazon está apenas contemplando seu reinado, pois ela já realiza algumas manobras para manter seus fiéis escudeiros.

Uma das novidades é o lançamento de um aplicativo “Kindle for PC”. Com ele o usuário pode sincronizar dados do seu e-reader com outros aparelhos, permitindo a continuidade da leitura. Além disso, o aplicativo também funcionará em tablets com telas multitoques que rodam o Windows 7.

Mesmo para quem não possui o Kindle será possível adquirir os livros da Amazon.com para leitura em iPhones, iPods e outros aparelhos portáteis. Com isso, a quantidade de leitores e compradores em potencial de livros e produtos da companhia sobe e a liderança fica mantida.

A segunda medida tomada para conter o avanço de outros aparelhos foi a redução de preço do Kindle de US$279 para US$ 259. Com estas medidas, a Amazon pretende aumentar o número de compradores e leitores e, consequentemente, seu domínio sobre o mercado.

Sony Reader Touch

Lançado este ano, o Sony Reader Touch traz novidades em relação aos antecessores da marca. A tela touchscreen é um diferencial extremamente atraente, que traz conforto e praticidade na hora de mudar de página e navegar nas opções do e-reader, além de possibilitar anotações nas laterais como se fosse um livro de papel.

Mas a Sony também tomou algumas providências diante da chegada dos novos e-readers. Além de baixar o preço dos livros comerciados de 12 para 10 dólares (mesmo preço dos concorrentes) o leitor criou uma parceria com o Google.

A loja online da Sony oferece desde agosto meio milhão de livros publicados antes de 1923, ou seja, que já estejam em domínio público, digitalizado e gratuito. Desta forma, há a facilidade para quem já possui o Sony Reader de acesso ao acervo. Porém, o dispositivo não possui conexão 3G gratuita como o Kindle, ou seja, baixar livros somente através de conexão USB entre o aparelho e algum computador.

nook

Eis aqui um dos motivos de tanto alarde! O nook chegou para “apavorar” quando se trata de arrebatar o mercado dos e-readers. Já em fase de pré-venda, este leitor digital estará nas lojas internacionais no final de novembro.

A Barnes & Noble – nada mais do que a maior rede de livros dos Estados Unidos – é a responsável por este aparelho para lá de estiloso, que roda com o Sistema Operacional da Google, o Android.  O nook será vendido pelo mesmo preço de seu principal concorrente da Amazon.

O aparelho conta com duas telas: uma com a já tradicional E-ink dos leitores e uma menor, na parte inferior do aparelho, em LCD touchscreen. É através desta telinha colorida que você vai controlar o acesso aos seus livros e às possibilidades do nook.