Samsung espera triplicar vendas de celulares dobráveis neste ano

2 min de leitura
Imagem de: Samsung espera triplicar vendas de celulares dobráveis neste ano
Imagem: Samsung
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Logo após a apresentação oficial de seus novos celulares dobráveis, na última quarta-feira (11), a Samsung parece ter se animado com a prospecção das futuras vendas. O vice-presidente Executivo e Chefe de Marketing Estratégico da sul-coreana, Bryan Choi, detalhou em uma entrevista que pretende triplicar o lucro nesta categoria de dispositivos em relação ao ano passado.

Considerando o número de vendas dos primeiros modelos de celulares dobráveis da Samsung, em 2019, a estimativa de Choi pode não ser tão inalcançável. Durante seu lançamento, o Galaxy Fold e Z Flip venderam cerca de 700 mil de unidades, enquanto seus sucessores atingiram cerca de 2,2 milhões de vendas no ano seguinte — um notável aumento de quase 230%.

Neste ano, segundo a entrevista de Choi, a Samsung espera vender cerca de 6,5 milhões de unidades de celulares dobráveis, um número estimado após a análise de especialistas da empresa Strategy Analytics. Embora não seja especificado, é possível que a sul-coreana esteja esperando um bom desempenho durante o lançamento dos Galaxy Z Fold 3 e Z Flip 3 no mercado — ou seu efeito positivo nas vendas dos modelos anteriores, por conta de seu preço nada amistoso.

Galaxy Z Flip 3 e Galaxy Z Fold 3, respectivamente. (Fonte: Samsung / Reprodução)Galaxy Z Flip 3 e Galaxy Z Fold 3, respectivamente. (Fonte: Samsung / Reprodução)Fonte:  Samsung 

Com a aparente "aposentadoria", ainda não confirmada, da linha Galaxy Note e a adição do suporte para a S Pen na nova linha Galaxy Z, fica cada vez mais claro que o foco da Samsung está mudando, favorecendo os novos modelos com recursos de produtividade uma vez exclusivos e vendidos como um diferencial. Esta mudança possivelmente favorecerá a adoção dos celulares dobráveis da sul-coreana, algo já confirmado por Choi, que citou que "9 em cada 10 usuários" dos modelos não desejam retornar ao formato "tradicional".

Disponibilidade inacessível

Contudo, a transição não é exatamente acessível para todos os usuários. A maior barreira de adoção, ainda a ser vencida, é o preço dos modelos, reforçada pela ausência de componentes na caixa e outros recursos "premium" presentes na linha "irmã" Galaxy S — tais como o conjunto poderoso de câmeras e maior capacidade de memória RAM.

Ainda não disponíveis no Brasil, os Galaxy Z Fold 3 e Flip 3 são internacionalmente vendidos por preços a partir de US$ 1.799 e US$ 999, cerca de R$ 9.500 e R$ 5300 em conversão direta. No entanto, ao considerar que os modelos predecessores desembarcaram no Brasil com preços a partir de R$ 12.600, é possível supor que a novidade custará significativamente mais para os brasileiros.