Apple considera “pular” iPhone 13 por superstição; medo de azar

1 min de leitura
Imagem de: Apple considera “pular” iPhone 13 por superstição; medo de azar
Imagem: Apple/Divulgação
Avatar do autor

Analistas estão questionando qual será o nome da próxima série da Apple. Muitos acreditam que a empresa pulará o iPhone 13, por ser um número "de azar" em muitas culturas ocidentais. Já correm boatos de que os executivos de Tim Cook estão discutindo a possibilidade de lançar o iPhone 12S e preparar o lançamento da série 14 para o próximo ano. Ou seja, o próximo carro-chefe seria o 12S, uma atualização do iPhone 12 lançado  no Brasil em novembro de 2020.

Mesmo com os rumores, ainda é difícil ter uma ideia do que virá no próximo lançamento, já que o número não é inexistente nos produtos Apple, com o processador Bionic A13 e o MacBook de 13 polegadas. Se a previsão for confirmada, a Maçã não seria a única a aderir à "simbologia" dos números. A Qualcomm adotou "888" como seu carro-chefe mais recente por ser um número de sorte na China.

Próxima série

Desde o iPhone X, lançado em 2017, a Apple não utiliza mais o sufixo "S" em seus produtos, já que representa quase a mesma configuração, mas com algumas atualizações. Rumores indicam que os pontos de atualização do iPhone 12S incluirão uma tela LTPO de 120 Hz, nova câmera CMOS e entalhe frontal menor.

Nos últimos meses também houveram relatos sobre o retorno do iPhone Touch ID - que havia sido deixado de lado em 2018, quando a Face ID tornou-se a única opção de identificação biométrica. No início de 2020, o repórter da Bloomberg, Mark Gurman, afirmou que a Apple lançaria um leitor de impressão digital sob a tela nos próximos celulares, dando ao usuário a opção de desbloquear o iPhone com impressão digital, reconhecimento facial ou senhas.

Gurman já é conhecido pela precisão de informações sobre os produtos Apple. Além do repórter, o Wall Street Journal também confirmou a notícia. Dois ex-funcionários anônimos relataram que a empresa está realmente desenvolvendo uma tecnologia de impressão digital sob a tela e incorporando Touch ID e Face ID no mesmo dispositivo.

A decisão de voltar a fabricar os celulares com impressão digital ficou mais forte com a pandemia e o uso de máscaras, que tornava o uso mais complicado e arriscado em lugares públicos. Entre os Androids, por outro lado, alguns modelos carro-chefe já adotaram uma combinação de identificação de impressão digital e reconhecimento de rosto, como o Huawei Mate 30 Pro.