Escobar Fold 2: revelado golpe por trás do celular dobrável

2 min de leitura
Imagem de: Escobar Fold 2: revelado golpe por trás do celular dobrável
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

O youtuber norte-americano Marques Brownlee, do canal MKHD, publicou nesta terça-feira (10) um novo vídeo em que conta toda a fraude por trás do Escobar Fold 2, um suposto smartphone dobrável extremamente barato. Caso você não se lembre, esse é o modelo que sucedeu o Escobar Fold original, um aparelho lançado por Roberto Escobar, irmão do famoso narcotraficente colombiano Pablo Escobar.

Na verdade, o vídeo de Marques nem teria esse tom investigativo: ele de fato comprou o primeiro Escobar Fold 1, mas nunca recebeu o dispositivo e perdeu o dinheiro. Ele então começou a estudar um pouco mais essa curiosa companhia e foi descobrindo aos poucos as falcatruas.

Para começar, o dispositivo se parecia muito com o Royole Flexpai, primeiro celular dobrável do mundo, tanto em visual quanto especificações, o que significa que é apenas "remanufaturação" em cima de um dispositivo já existente.

Meses depois, veio o Escobar Fold 2, que custa US$ 400 e parecia ter um acabamento melhorado. Marques novamente tentou adquirir o modelo e ficou semanas sem respostas, até ir às redes sociais reclamar. Rapidamente, recebeu um contato pedindo o seu endereço e, dias depois, o modelo chegou em sua casa. E só então ele descobriu como funciona mesmo o golpe da "fabricante".

Fonte da imagem: Reprodução/MKHD

O Escobar Fold 2 é nada mais que um Samsung Galaxy Fold com um adesivo dourado por cima e alguns papeis de parede personalizados com o rosto do criminoso, que ficou ainda mais famoso após ser interpretado por Wagner Moura na série Narcos.

Qual o plano?

A descoberta torna a situação ainda mais confusa. Afinal, o que a companhia ganha ao vender um Galaxy Fold adesivado por quase metade do preço original? A teoria de Marques é de que a marca nunca quis ser um fenômeno de vendas. O plano é enviar alguns modelos para influenciadores e youtubers, como ele, e aguardar vídeos de análises elogiando o dispositivo. Isso chamaria consumidores que, provavelmente, jamais veriam a encomenda chegar — e, de US$ 400 por vez, ela vai enchendo os bolsos.

A cara de golpe fica ainda mais evidente pelo site da marca, que leva todo o trabalho da companhia de forma debochada, com direito até a propagandas envolvendo mulheres de biquini. Além disso, ele até possui dois "depoimentos" de subcelebridades recomendando o dispositivo, mas rapidamente o youtuber descobriu que elas provavelmente foram contratadas de um site que oferece mensagens pré-escritas gravadas por famosos de todas as categorias.

Anteriormente, a companhia ainda tentou lançar uma criptomoeda e até ameaçou processar a Apple sem alegações claras. Por tudo isso, Marques não recomenda que qualquer pessoa adquira o Escobar Fold 2, e passe longe de qualquer outro produto da companhia — não que antes o negócio parecesse legítimo, mas agora há provas concretas da falcatrua.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Escobar Fold 2: revelado golpe por trás do celular dobrável