Os sinais de que a Sony está pisando no freio de sua divisão mobile não param. Depois de indicar deixar o Brasil e de fechar a sua maior fábrica de smartphones, a companhia deve, também, reduzir pela metade a sua equipe de mobile até 2020. A informação é do jornal Nikkei Asian Review.

Ainda segundo a publicação, esse movimento de retração da companhia japonesa afetaria cerca de 2 mil trabalhadores, reforçando ainda mais o mal momento da empresa no mercado de smartphones. Atualmente, a Sony tem cerca de 4 mil funcionários dedicados à divisão mobile.

Parte dos trabalhadores afetados será transferida para outras divisões da companhia, informa o jornal, contudo, todos os funcionários poderão adotar um programa de demissão voluntária.

Problemas

Atualmente, a Sony detém menos de 1% do mercado global de celulares, um setor que vem enfrentando retração e deve diminuir no número de unidades fabricadas pelo terceiro ano consecutivo, segundo a empresa de pesquisa IDC.

Além de fechar fábrica e desligar metade de sua equipe, a Sony também vem acumulando prejuízos quando se fala em smartphones: no último ano fiscal, finalizado domingo (31), a empresa acumulou prejuízo de US$ 863 milhões.