Um estudo realizado pela NPD, empresa norte-americana de análise de dados, estima que smartwatches Wear OS tiveram uma baixa participação na porcentagem de vendas desse tipo de dispositivo nos Estados Unidos, no período entre o segundo semestre de 2017 e fim de 2018. Isso porque dentre os 12% de aparelhos vendidos, há chances de somente 10% serem da plataforma da Google.

A notícia não é nem um pouco animadora para a companhia, especialmente porque o número de vendas desses relógios inteligentes no país aumentou 61% no período avaliado, gerando cerca de 5 bilhões de dólares para o setor. Nesse caso, a Apple foi a responsável pelo maior número de vendas, seguida da Samsung e Fitbit, que juntas totalizaram 88% dessas operações.

Fonte: Reprodução/Apple.

“Nos últimos 18 meses, as vendas de smartwatch ganharam um forte impulso, provando que os pessimistas, que não acreditavam que a categoria poderia alcançar a aceitação geral, haviam julgado muito cedo o segmento”, disse Weston Henderek, diretor de análise da NPD Connected Intelligence.

A liderança da Apple no país não é surpreendente, nem o segundo lugar ocupado por sua rival Samsung. Já no Brasil, é mais complicado encontrar dispositivos Wear OS, mas é possível arriscar que dificilmente eles teriam tanto espaço por aqui, especialmente devido ao grande interesse dos usuários brasileiros por relógios inteligentes da Xiaomi.

Dito isso, cabe à Google repensar suas estratégias e recursos para a plataforma Wear OS. Do contrário, seus dispositivos podem cair completamente no esquecimento, e bem rápido.