De acordo com uma apresentação de slides obtida pelo Motherboard, policiais norte-americanos estão sendo instruídos a não olhar para smartphones da Apple que possuam a tecnologia Face ID para identificação biométrica. O objetivo é evitar que as cinco tentativas de desbloqueio facial sejam gastas antes de o dono do aparelho ser convencido a desbloquear o smartphone.

A apresentação foi vazada de uma empresa de tecnologia forense chamada Elcomsoft, que desenvolve ferramentas para desbloquear smartphones e outros equipamentos de suspeitos apreendidos pelas autoridades.

Justiça dos EUA não trata o uso de biometria e de senhas da mesma forma em processos judiciais

Mas por que se preocupar com essas cinco tentativas? Depois que um iPhone vê cinco vezes um rosto sem ser o do dono, ele desativa o Face ID e pede uma senha para desbloqueio. Aparentemente, a Justiça dos EUA não trata o uso de biometria e de senhas da mesma forma em processos judiciais.

Persuadir um suspeito a desbloquear seu iPhone com a impressão digital ou o rosto é tecnicamente diferente de solicitar a ele sua senha. Isso porque, nesse segundo caso, ele estaria incriminando a si mesmo, fornecendo informações (a senha) que poderiam prejudicá-lo.

Aparentemente, dados biométricos não são encarados como informações que uma pessoa pode escolher não fornecer. Dessa forma, quando um suspeito de um crime é preso, a polícia pode persuadi-lo a usar seu dedo ou rosto para desbloquear seu smartphone e, em seguida, obter todo tipo de informações que possam incriminá-lo.

O objetivo é evitar que, quando o dono do aparelho for convencido a desbloqueá-lo, todas as tentativas não estejam esgotadas

Em contato com o Motherboard, a Elcomsoft confirmou que de fato tem instruído os policiais a não olharem para os iPhones com Face ID, todos aqueles com notch. O objetivo é evitar que, quando o dono do aparelho for convencido a desbloqueá-lo, todas as tentativas não estejam esgotadas, uma vez que pedir a senha não é uma opção legal.

De acordo com a Forbes, em agosto deste ano um suspeito de possuir pornografia infantil em seu smartphone nos EUA foi convencido pela polícia a desbloquear seu iPhone X com seu rosto. Os policiais que foram até sua casa e o prenderam tinham um mandado de busca e apreensão e, com isso, convenceram o suspeito a pôr seu rosto em frente ao aparelho.

A partir disso, ele foi acusado de receber e possuir pornografia infantil. Também foram encontradas mensagens trocadas entre ele e outros criminosos sobre o tema.

Cupons de desconto TecMundo: