Em um mundo onde ter câmeras duplas ou desbloqueio facial é a nova moda para a indústria de smartphones, a fabricante brasileira Quantum está tentando chamar atenção por outros meios. A empresa resolveu apresentar um smartphone que conta com um projetor a laser integrado. Ele se chama “Quantum V”.

Se você está com frequência à frente de uma sala de aula, apresentando projetos para clientes ou imagina que seria uma boa assistir Netflix no teto do seu quarto, esse aparelho pode ser uma boa pedida. O fato de ele ter um projetor integrado permite que você projete uma tela de até 88 polegadas com resolução HD em qualquer parede, o que pode vir a calhar em várias situações. Mas será que isso faz valer a pena os R$ 1.999 que a Quantum está cobrando? Vamos descobrir no decorrer desta análise.

Mas antes de começar a avaliar as características mais tradicionais do hardware e do software deste smartphone, eu vou falar mais um pouco desse projetor a laser que torna o Quantum V um aparelho único no mercado brasileiro no momento. Eu digo “no momento” porque não há outro modelo de uma grande marca por aqui que conte com esse recurso sem que algum acessório seja necessário.

quantum v

A qualidade da projeção do smartphone da Quantum é boa para um dispositivo tão compacto

Mas, de qualquer forma, a qualidade da projeção do smartphone da Quantum é boa para um dispositivo tão compacto. Ele consegue reproduzir as cores de forma vívida e relativamente bem definida, mas seu maior destaque é a sua capacidade de se autoajustar sozinho de acordo com a inclinação do dispositivo. Aparelhos comuns requerem que você faça tudo isso manualmente. A alternância é relativamente rápida, e o usuário nunca tem que se preocupar em mexer em qualquer configuração. É só mudar a posição e aguardar uns três segundos. Não precisa nem parar sua apresentação ou execução de vídeo.

Essa possibilidade torna esse smartphone o mais prático projetor mobile que você pode encontrar no mercado atualmente. O problema é que, assim como todos os concorrentes com essas dimensões, o projetor do Quantum V não tem muito brilho. São apenas 31 lumens, o que significa que a imagem praticamente desaparece em ambientes claros. Para funcionar bem, você precisa providenciar um ambiente bem escuro.

O concorrente mais próximo que temos do Quantum V — tanto em funcionalidade quanto em qualidade — é o Moto Z2 Play com módulo de projeção. Esse aparelho da Motorola, contudo, requer um projetor acoplado na traseira, o que aumenta significativamente o tamanho total do dispositivo, bem como seu peso. O preço do conjunto da Motorola também é mais salgado. Juntos, o celular e o módulo saem por uns R$ 300 a mais que o preço oficial do Quantum V, mas existem prós e contras para ambos os lados.

quantum v

O Moto Z2 Play, apenas como celular, é melhor que o Quantum V em praticamente todos os principais quesitos, mas a história fica diferente quando o assunto é o projetor. O módulo da Motorola tem uma ventoinha que faz um barulho chato, coisa que não existe no V. O conjunto da Motorola também é bem mais robusto, e o módulo de projeção precisa ser recarregado. Por outro lado, você pode remover o módulo quando não for usar e carregar em uma capinha, enquanto o aparelho da Quantum é constantemente mais gordinho.

Em contrapartida, o celular brasileiro tem mais resolução na projeção — HD 720p contra VGA 480p. O foco do módulo de projeção da Motorola é manual, contra o automático da Quantum. A tecnologia do projetor também é inferior, o que, no fim das contas, resulta em uma imagem pior. Mas, um ponto em que a Motorola fica na frente é na luminosidade. O produto da norte-americana tem 50 lumens, contra 31 da brasileira. Por fim, o tamanho máximo de projeção do Quantum V é 88’’, enquanto o módulo da Motorola chega a 70’’.

Eu considero o projetor do Quantum V superior ao Insta-Share Projector da Motorola

Avaliando tudo isso, eu considero o projetor do Quantum V superior ao Insta-Share Projector da Motorola, que serve para todos os aparelhos da linha Moto Z. Entretanto, a empresa norte-americana deve apresentar uma segunda geração desse acessório na MWC 2018 ou nos próximos meses. Seja como for, esse recurso não é exatamente uma novidade. Vários celulares já chegaram ao mercado com projetores integrados ou que funcionam por meio de acessórios. O fato é que isso não apela para todo mundo. Por isso, a abordagem da Motorola em lançar um acessório que pode ser removido ou vendido separadamente do celular pode ser uma aposta comercialmente mais viável, já que torna o celular em si mais simples e mais barato para o público geral.

Fora isso, tanto no Quantum V quanto no Moto Z2 Play com módulo de projeção, a qualidade de som é um problema complicado. O som de ambos não é adequado para uma sala de aula cheia de alunos ou para uma audiência em uma sala de reuniões onde os participantes estão afastados. Para ambos os celulares, o ideal é usar uma caixinha de som Bluetooth ou mesmo uma com fio.

quantum v

Design

Independente das qualidades e funcionalidades, ninguém quer comprar um celular feio. O Quantum V, para nossa sorte, é um aparelho bonito apesar de contar com um projetor integrado. Ele é sim mais gordinho e mais pesado que a maioria dos smartphones modernos, e seu peso extra pode ser facilmente sentido na mão ou no bolso: são 203 gramas. Ainda assim, ele pode ser considerado leve para o que oferece. O Moto Z2 Play com módulo de projeção acoplado é bem mais grosso e consideravelmente mais pesado, ficando com 270 gramas exatamente.

De qualquer maneira, o V é um aparelho agradável de se olhar. Ele tem um estilo visual harmonioso, mas sua aparência geral pode ser considerada similar à do Moto G5S. Felizmente, o design da protuberância da câmera é bem único, diminuindo as chances de confusão entre os modelos.

Meu único problema com o design do V é o tamanho das bordas superior e inferior em volta da tela

A qualidade de construção é boa. O V pode ser considerado o melhor aparelho da Quantum nesse quesito, com carcaça inteiramente produzida em metal e acabamento bem-feito. Isso fica evidenciado pela transição entre o vidro e o metal nas bordas. Meu único problema com o design do V é o tamanho das bordas superior e inferior em volta da tela. Com a tendência de smartphones com faces frontais cada vez mais ocupadas pela tela, o Quantum V pode parecer um tanto datado. Outro contra é o fato de ele só estar disponível nessa cor azul metálica. É um tom bonito, na minha opinião, mas seria interessante termos uma opção em preto ou cinza.

Por ser o celular mais caro da Quantum, o V vem em um pacote bem elaborado. A caixa é bem apresentada, com acessórios de qualidade organizados para impressionar. Como bônus, ele vem com uma película protetora e uma capinha. Mas o mais interessante é o pezinho, que pode ser usado para deixar o smartphone de pé durante projeções.

quantum v

Tela

O slogan do Quantum V é “liberte-se da tela”, fazendo alusão ao projetor embutido. Mas essa pequena frase pode nos dizer muito sobre a tela do aparelho também. Esse componente é um dos pontos fracos do V em relação aos seus concorrentes. Ela tem uma coloração mais saturada do que seria considerado o natural, mostrando alguns elementos mais amarelados do que deveriam ser. Não sabemos se isso é uma questão de calibração do display que poderia ser resolvida com uma atualização de software, mas existe a possibilidade de a Quantum ter escolhido usar um display barato e de baixa qualidade pelo simples fato de que existe um projetor ali para quebrar um galho.

Além dessa questão, é bom apontar que essa tela não vem no padrão mais alongado e mais moderno 18:9, que vem se fazendo presente em praticamente todos os grandes top de linha desde o ano passado e, agora, está sendo levado para os intermediários. Modelos mais baratos da LG e — e mais recentemente da Samsung — começaram a trazer essa novidade, e todos os modelos da Motorola para 2018 devem ter telas 18:9. O fato de o Quantum V não seguir essa tendência pode fazer com que ele pareça um pouco datado diante dos concorrentes, mas ainda não dá para dizer que isso é um ponto negativo de fato.

quantum v

Independente disso, talvez não fosse possível migrar para o 18:9 na tela sem fazer o mesmo com o projetor, o que poderia ser mais caro. A tela em si mede 5,5’’, tem resolução Full HD e foi construída no padrão IPS LCD.

Bateria

Você vai conseguir passar o dia todo utilizando o Quantum V como seu principal smartphone — respondendo mensagens, navegando na web, usando apps de redes sociais, jogando ou mesmo fotografando — sem ficar preocupado em ter um carregador sempre consigo, pois ele tem uma boa autonomia para uso intermediário cotidiano. Isso se deve aos 4.000 mAh da bateria, que é grande dessa forma para acolher as necessidades energéticas do projetor.

Se você usar o projetor por até 1 hora, ainda será possível ter carga suficiente para o restante do dia se você economizar um pouco. Contudo, a bateria deste celular não apresentou um desempenho tão bom nos nossos testes de estresse quanto foi registrado no uso cotidiano. Assim como intermediários mais simples com menos de 3.000 mAh, o Quantum V consegue aguentar apenas 4 horas e 20 minutos de execução de vídeo no YouTubecom brilho da tela no máximo e WiFi ligado. A minha expectativa para ele era de, pelo menos, 6 horas.

quantum v

Para chegar a esse resultado, executei um vídeo de 1 hora no YouTube múltiplas vezes e registrei quanto de bateria essa atividade gastou em cada tentativa. A média de consumo por hora foi de 23%, o que explica o resultado ruim.

Se você for usar o Quantum V só para projeção, ele deve durar cerca de 3 horas (sem chip e com WiFi desligado, pode durar até 4 horas) em uma carga. Isso certamente é o suficiente para uma reunião ou uma aula, mas não para um dia inteiro. Portanto, apesar de ser mais prático e de boa qualidade, o projetor da marca brasileira não substitui completamente um equipamento profissional dedicado.

Desempenho

Apesar de custar quase R$ 2 mil, o Quantum V não é um aparelho top de linha. No que diz respeito a design e qualidade de construção, ele se aproxima dos intermediários premium, mas seu hardware interno está mais para os intermediários comuns. Ele consegue lidar com apps de redes sociais como Facebook e Instagram, além de oferecer uma experiência decente no WhatsApp e em outros mensageiros, mas estamos falando de um celular com poder computacional limitado. Isso quer dizer que rolar o feed do Facebook e navegar por páginas no Google Chrome não será uma experiência absolutamente fluida como você talvez esteja esperando.

quantum v

Há múltiplos engasgos nessas tarefas, mas não estamos falando de travamentos, apenas falta de fluidez. Contudo, esse tipo de coisa pode ser irritante para quem vem de um celular melhor. É possível jogar games básicos e títulos casuais com gráficos mais bonitos, mas não espere bom desempenho em títulos de corrida ou de luta mais avançados. Por tudo isso, se você é mais exigente nesses aspectos, este não é o celular para o seu dia a dia.

Nos benchmarks, o Quantum V ficou atrás de praticamente todos os principais concorrentes, inclusive perdeu para aparelhos mais baratos. Mas o grande problema aqui tem a ver com a conectividade. Ele navega muito lentamente nas redes 3G e 4G (testes com chip da Vivo em Curitiba), e mesmo no WiFi a coisa não é tão interessante: a conexão cai com frequência. Isso deixa a experiência em apps como YouTube e Netflix bem complicada, sem contar que é muito chato ficar sem internet em qualquer situação.

Benchmarks

Para ver como o Quantum V se sai em comparação com seus principais concorrentes, o aparelho foi submetido a três aplicativos de benchmark. Os testes utilizados foram o 3DMark (Ice Storm Unlimited), o AnTuTu Benchmark 6 e o Vellamo Mobile Benchmark (HTML5 e Metal).

3dmark

O 3D Mark oferece uma série de testes para benchmark de smartphones. Entre eles, o Ice Storm Unlimited permite comparar diretamente entre processadores e GPUs. A resolução do display é um fator que pode afetar o resultado final. Quanto maior a pontuação, melhor o desempenho.

antutu 6

O app AnTuTu 6 permite testar interface, CPU, GPU e memória RAM dos dispositivos. Os resultados são fornecidos individualmente e somados para gerar uma pontuação total. E aqui também vale a máxima para os pontos: quanto mais, melhor.

velamo

O Vellamo Mobile Benchmark aplica dois testes aos smartphones, avaliando o desempenho do celular durante o acesso de conteúdo na internet por meio de navegadores no primeiro e a performance do processador no segundo. Novamente, números maiores indicam resultados melhores.

Interface

Por outro lado, o Quantum V traz o Android limpo na forma do Nougat 7.0. Há algumas leves modificações, mas elas são todas positivas, como os atalhos na área de notificações para acessar recursos exclusivos do aparelho. O interessante mesmo é que há pouquíssimos apps extras pré-instalados.

Outro ponto que precisa ser destacado é o fato de os “pontos de notificação”  — inaugurados no Android 8.0 Oreo — já estarem presentes neste aparelho mesmo ele trazendo uma versão mais antiga do sistema. Esse recurso é uma forma de acessar as notificações com mais facilidade sem que você seja incomodado com aqueles contadores nos ícones dos apps, que podem inclusive deixar o usuário mais ansioso.

De resto, estamos falando da mais pura e simples interface do Android concebida pela Google. Apesar disso, não temos previsões para o lançamento de uma atualização para o Oreo.

quantum v

Câmera

A câmera é outro ponto complicado do Quantum V. Apesar de o celular ter o preço de um intermediário premium — por conta do projetor —, seu conjunto de câmeras não consegue acompanhar os aparelhos dessa categoria. Nesse aspecto, ele fica bem mais próximo de intermediários simples. O sensor principal tem 13 MP, e o da frente tem 8 MP. Ambos contam com Flash LED e HDR, mas as imagens não ficam boas em qualquer situação.

Primeiramente, você só pode usar esse celular caso esteja completamente parado, tanto para vídeo quanto para foto — especialmente aquelas em HDR. Qualquer movimentação pode gerar borrões, uma vez que não há aparentemente qualquer tipo de estabilização, nem eletrônica nem óptica.

Para conseguir boas fotos com o Quantum V, você precisa dar um tempo razoável para a câmera focar e encontrar condições favoráveis de iluminação, nem pouca nem muita luz. Se você não fizer isso, nenhuma imagem vai ficar bonita. Essencialmente, esse aparelho aqui não é um daqueles que você tira do bolso, faz um monte de fotos e consegue vários ótimos resultados.

Para vídeo especialmente, a situação da estabilização é crucial. Você precisa tomar cuidado para não mexer demais o vídeo enquanto grava a fim de não ter efeitos estranhos ou mesmo uma tremedeira extrema. Simplesmente não dá para gravar vídeos com esse celular se você estiver em movimento.

Vale a pena?

O Quantum V traz um bom conjunto de funcionalidades, e o seu grande destaque — o projetor a laser com configuração automática — é de fato atraente. Mas agora é a hora de fazer as considerações sobre os recursos e a qualidade do aparelho em relação ao seu preço. É inegável que o V tem uma boa qualidade de construção, um design OK e o seu projetor é de qualidade e consegue quebrar um galho em algumas situações. Além do mais, a interface é limpa, sem entulhos, e o funcionamento é o mais simples possível. Contudo, oficialmente, a Quantum cobra R$ 1.999 pelo V.

Quando se lança um celular por quase R$ 2 mil no mercado brasileiro, a expectativa é de que ele tenha no mínimo um bom desempenho e uma câmera decente

Esse valor é alto demais para um smartphone que tem um chipset tão básico quanto o do Quantum V. Mesmo que o aparelho traga funcionalidades chamativas, como o tal projetor, isso não muda o fato de que o básico não foi tão bem feito. Eu entendo perfeitamente que integrar um projetor em um smartphone da forma como a Quantum fez não deve ser algo barato, mas, quando se lança um celular por quase R$ 2 mil no mercado brasileiro, a expectativa é de que ele tenha um bom desempenho e uma câmera decente. O resto são coisas que podemos relevar ou mesmo considerar como “extras” para comparar com os concorrentes.

Se você quer um aparelho com câmera excelente na faixa dos R$ 2 mil, a sua melhor escolha hoje é o LG G6, que de quebra é um verdadeiro e moderno top de linha. Se você realmente procura um projetor mobile, talvez seja interessante conhecer o Moto Z2 Play com módulo de projeção. Mesmo com o projetor inferior ao do Quantum V e com o preço um tanto mais salgado, ele pode apelar mais para você pelo fato de ser um intermediário premium de verdade e mais versátil quando o assunto é projetar uma imagem na parede.

Considerando tudo isso, eu não posso recomendar o Quantum V para ninguém enquanto seu preço não cair pelo menos uns 25%. Com esse corte, ele ficaria mais competitivo contra a oferta da Motorola, e o usuário não poderia exigir tanto desempenho quanto é o esperado para um smartphone de R$ 1.999. Mais uma vez: o projetor realente faz a diferença no preço aqui, mas esse recurso não vai agregar valor para todo mundo, e quem está disposto a gastar essa cifra no telefone pode acabar decepcionado com o desempenho geral do V, bem como com sua conectividade problemática.

Por isso, o Quantum V não vale a pena neste momento, mas pode ser uma boa escolha quando custar entre R$ 1,7 mil e R$ 1,8 mil.

Opções de compra: