Movimentos para boicotar Mulan retornam após estreia no Disney+

1 min de leitura
Imagem de: Movimentos para boicotar Mulan retornam após estreia no Disney+
Avatar do autor

O filme live-action Mulan chegou ao Disney+ e algumas salas de cinema na semana passada com críticas positivas, mas também veio acompanhado de polêmicas. Segundo o The Verge, a estreia ressuscitou movimentos de boicote contra o longa-metragem.

Logo após a Disney liberar o filme em seu serviço de streaming, internautas levantaram a hashtag #BoycottMulan" em redes sociais como o Twitter. O movimento foi liderado por ativistas asiáticos e trouxe à tona frases polêmicas da protagonista Liu Yifei.

A intérprete da protagonista Mulan gerou revolta durante o ano passado quando apoiou publicamente a polícia de Hong Kong durante protestos pró-democracia no território chinês. Em uma publicação feita na rede social Weibo, a atriz foi bem direta sobre assunto: "Eu apoio a polícia de Hong Kong. Vocês podem me atacar agora".

Posição da Disney

A Disney não comentou sobre o movimento de boicote ao filme, mas a companhia já se pronunciou sobre o assunto no passado. Em fevereiro, o chairman da empresa, Alan Horn, falou sobre os comentários da atriz.

De acordo com o executivo, a Disney tenta ser "apolítica" em relação a assuntos como esse e as declarações de Yifei Liu não refletem as opiniões da empresa. "Eu espero que tudo seja resolvido logo", disse Horn. "É uma situação muito delicada".

Yifei Liu, atriz que interpreta MulanYifei Liu, atriz que interpreta MulanFonte:  CNET 

Graças à pandemia, a Disney optou por lançar Mulan diretamente no Disney+ e limitou a chegada do longa-metragem nos cinemas. Os assinantes da plataforma nos Estados Unidos podem alugar o filme por US$ 29,90, cerca de R$ 161 em conversão direta para a nossa moeda.

Mesmo com os movimentos de boicote, o principal interesse da Disney é lançar o filme nos cinemas chineses. De acordo com Alan Horn, a produção foi feita com a bilheteria do país em mente.

"Se Mulan não der certo na China, nós temos um problema", disse o executivo ao Hollywood Reporter. O longa-metragem estreará nas salas de cinema do país nesta sexta-feira, 11 de setembro. 

Movimentos para boicotar Mulan retornam após estreia no Disney+