Embrapa desenvolve método de analisar comida com ressonância magnética

1 min de leitura
Imagem de: Embrapa desenvolve método de analisar comida com ressonância magnética
Avatar do autor

(Fonte da imagem: Reprodução/Agência Brasil)

No último domingo (11), a Embrapa informou, através de comunicado oficial, que desenvolveu um dispositivo capaz de testar a qualidade de alimentos.

De acordo com as informações da Agência Brasil, a partir da análise realizada, o consumidor poderá saber se determinada fruta está doce ou azeda sem precisar experimentá-la.

O dispositivo desenvolvido pelos pesquisadores da Embrapa Instrumentação faz análises rápidas e não altera a composição dos alimentos. A máquina funciona com a tecnologia de ressonância magnética e pode analisar diferentes tipos de produtos, incluindo sucos de frutas, leite, azeite, carne e outros. É um produto de uso bem geral.

A única restrição do aparelho é a análise de produtos com pacotes metálicos e embalagens tetra pak. Esses itens impedem a leitura do conteúdo do alimento. Segundo a informação oficial, a análise dos é feita de forma contínua (sobre uma esteira) o que possibilita certificar a qualidade de uma grande quantidade de produtos ao mesmo tempo.

Instalação em supermercados

Conforme a informação do bioquímico Luiz Alberto Colnago, criador do aparelho, a ressonância magnética nuclear pode ser usada em supermercados, ou seja, pode ser que em breve os consumidores possam testar os produtos antes de levá-los para casa.

(Fonte da imagem: Reprodução/Agência Brasil)

“Se a gente for em um supermercado, frutas, nozes, queijos, qualquer material desses pode ser analisado. E também aqueles [alimentos] embalados em plástico ou vidro. Por exemplo, a maionese, é possível saber o teor de gordura. Em molhos de saladas também, que muitas vezes têm até 50% de gordura”, explicou Colnago.

Apesar de já ter passado por testes e provar sua eficiência, a máquina da Embrapa não estará disponível imediatamente para o consumidor. Colnago informa que a tecnologia deve chegar dentro de dois anos nos mercados e, assim, evitar que produtos de baixa qualidade ou adulterados sejam comercializados.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Embrapa desenvolve método de analisar comida com ressonância magnética