Em algum momento da sua vida “virtual”, com certeza já teve que reiniciar (reboot, em inglês) o seu computador. Seja porque ele travou enquanto você estava jogando, ficou super lento durante edições de imagem ou por orientação de um atendente do serviço de atendimento ao cliente da sua prestadora de internet.

Mas, assim como tantos outros termos que usamos em nosso cotidiano, você já parou para pensar o motivo dessa palavra ter sido adotada para designar o procedimento de desligar e ligar novamente o PC? O Gizmodo publicou recentemente uma matéria explicando exatamente isso.

Revolução traz conhecimento

De acordo com esse site, a adoção desse conceito surgiu na década de 50 com o surgimento dos primeiros computadores. Os engenheiros da época, ainda com pouquíssimo contato com aquele tipo de tecnologia, se depararam com um problema: eles não sabiam como descrever o processo de inicialização do computador.

Hoje, esse procedimento é extremamente comum e de fácil entendimento, e pode até soar estranho alguém não entendê-lo. Contudo, na época a maioria das máquinas e eletrônicos começavam a trabalhar assim que você ligasse um botão que os alimentavam com eletricidade ou energia gerada por combustão. Era algo instantâneo, você virava uma chave e o equipamento estava pronto para uso.

Assim, esses profissionais tiveram dificuldades para explicar um equipamento que necessitava de tempo para carregar códigos atrás de códigos com o objetivo de identificar e interagir com os periféricos conectados a ele, para só então começar a executar programas. Ou seja, para estar realmente ligado, um computador exigia uma série de passos que eram completamente novos para aquele período.

Com base nesse processo revolucionário, com a qual uma máquina era capaz de iniciar a si mesma, carregando cada novo e necessário código até que estivesse realmente pronta, os engenheiros pioneiros da área optaram por chamar essa série de etapas de “booting up” — expressão com a conotação de “arrancar” ou “iniciar” a partir de seus próprios esforços. Assim, por consequência, o ato de refazer essa ação ficou conhecida como “reboot”.

Tudo evolui

Vale mencionar também que, como é de se imaginar, a inicialização dos sistemas operacional nos anos 50 era bem diferente. Naquele tempo, o computador lia apenas algumas palavras que estavam armazenadas em fitas ou discos magnéticos. É por isso que você pode encontrar fotos de PCs muito antigos que tinham um botão “load” para carregar o SO propriamente dito.

Mais tarde, as máquinas começaram a guardar esses comandos em firmwares de componentes presentes no seu circuito eletrônico na tentativa de evitar as constantes perdas de dados das tecnologias magnéticas da época. Atualmente, esse processo é bem mais complexo, como você pode conferir neste artigo.

Cupons de desconto TecMundo: