(Fonte da imagem: Reprodução/DualShockers)

Embora o mercado de computadores tenha perdido espaço tanto para os consoles de mesa quanto para dispositivos como tablets e smartphones, os games devem ajudar a manter a plataforma relevante. É o que afirmam os participantes do painel “O (incrível) Futuro dos Jogos no PC”, realizado durante a PAX East 2014.

Reconhecendo que o mercado passa por algumas dificuldades, os participantes afirmam que isso não significa que o PC não possua aspectos positivos bastante óbvios: entre eles, a facilidade de criar experiências customizáveis. Segundo Tom Peterson, diretor de marketing técnico da NVIDIA, a plataforma passa por um período de transição, marcado por uma queda no número de vendas — algo que é contrabalanceado por um aumento no número de jogos vendidos.

Opinião semelhante possui Chris Roberts, fundador da desenvolvedora Roberts Space Industries (responsável por Star Citizen), que afirma que o setor de jogos deve ajudar o mercado de PCs a crescer. Ele acredita que os jogadores são a principal força responsável pelas vendas de componentes — algo diretamente ligado ao hardware exigido por alguns dos títulos mais recentes do mercado.

Windows ainda deve dominar

Entre os fatores que ajudaram a transformar a indústria nos últimos anos está a transição para o meio digital, que ajudou a abrir a plataforma para um grupo maior de desenvolvedores, que agora podem apostar em novos meios de distribuição. Segundo Matt Higby, diretor criativo de PlanetSide 2, a dependência cada vez maior da internet também ajudou a diminuir a ameaça da pirataria, elemento que se mostrou devastador para os computadores no início dos anos 2000.

Mesmo demonstrando entusiasmo em relação à ascensão do Linux, os participantes afirmam que o Windows deve continuar sendo a plataforma dominante, ao menos em um futuro próximo. Segundo Petersen, da NVIDIA, a Microsoft se dedica bastante a jogos, como bem demonstra o recente anúncio do DirectX 12.

Via BJ

Cupons de desconto TecMundo: