Por R$ 100 mil, ricaços podem ver em casa filmes que ainda estão no cinema

2 min de leitura
Imagem de: Por R$ 100 mil, ricaços podem ver em casa filmes que ainda estão no cinema
Avatar do autor

Se você quiser ver por métodos legais um filme que está atualmente nos cinemas, precisa esperar semanas, meses ou até um ano inteiro para o lançamento em mídia física, exibição na TV ou catálogos de serviços de streaming — tudo para fugir de quem conversa alto nas salas, fica mexendo no celular ou chutando as cadeiras. Outra alternativa? Ser absurdamente rico e fazer parte do clube PRIMA Cinema.

O PRIMA Cinema é um serviço de locadora virtual e reprodução de vídeo que cria a experiência completa do cinema na sua casa, com a diferença de que você "só" pode assistir aos filmes que acabaram de entrar em cartaz. O catálogo inclui vários longa-metragens que acabaram de sair, como "Velozes & Furiosos 7", em Full HD e com esquema otimizado de cores — isso levando em conta que os sócios terão um televisor de última geração e um equipamento de áudio mais do que incríveis para reproduzir isso, claro.

O PRIMA consiste em um aparelho reprodutor de vídeo altamente moderno com duas entradas HDMI, um cabo de rede Ethernet e entradas USB. Ele recebe os filmes digitalmente e, segundo a empresa, possuem duas vezes a qualidade de um Blu-ray. No equipamento, você pode armazenar até 50 longa-metragens de uma só vez.

Essa ferramenta permite que não só os executivos e parceiros de Hollywood recebam cópias de filmes com exclusividade. O catálogo é restrito: só o que está atualmente em cartaz. No site da PRIMA Cinema, é possível conferir o que está disponível e o que vem por aí.

Porém, não pense que fazer parte desse grupo VIP é algo popular. Nos Estados Unidos, você precisa desembolsar US$ 35 mil (cerca de R$ 105 mil em conversão direta de moeda) pelo equipamento, além de até US$ 500 (R$ 1,6 mil) pelo aluguel de 24 horas. Não existe um esquema de assinatura, mas os novos membros precisam pagar US$ 5 mil adiantados para mostrar que estão dispostos a serem fiéis ao serviço.

Segurança total (e necessária)

Olhando pelo lado do crime, o PRIMA Cinema seria a alternativa mais viável para piratear filmes: um ricaço assina o serviço para si enquanto outros fazem a gravação ou distribuem e vendem cópias. Porém, tudo no equipamento é pensado para que somente quem tem direito é que aproveite a exibição.

Para ligar o equipamento e alugar um filme, é preciso utilizar dois sensores biométricos, um individual e outro acoplado ao reprodutor de vídeo. Além disso, cada cópia digital possui uma marca d'água invisível com o registro do cliente que incrimina eventuais responsáveis por vazamentos.

Além disso, o equipamento possui um acelerômetro que para o filme em caso de movimento do aparelho. Não é possível fazer streaming do conteúdo ou transferir os arquivos para outro eletrônico — o esquema é via download prévio de conteúdo criptografado, sendo que a imagem é liberada só após a autorização do estúdio.

Só assim, com muita segurança e preços caríssimos, é que os estúdios concordam com a existência de um serviço como o PRIMA Cinema. Com ele, a quantidade de pessoas que troca as salas de cinema pelo conforto de casa é menor, já que são poucos os que contam com o capital para manter a ferramenta.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Por R$ 100 mil, ricaços podem ver em casa filmes que ainda estão no cinema