Dia 18 de dezembro de 2009, uma data que ficou marcada na memória de muitos. Nesse dia, o filme “Avatar” estava estreando no Brasil e o conceito de cinema 3D estava ganhando um novo sentido. E foi em 2010 que a onda dos filmes tridimensionais realmente pegou. Desde então, quase todos os longas começaram a ser exibidos em duas versões: uma simples e outra com objetos que saem da tela.

A evolução da experiência cinematográfica não parou por aí. Muitas empresas do ramo viram o pote de ouro que o 3D trazia e pensaram em investir em algo ainda melhor: o cinema 4D. Tal novidade não significava exatamente que os filmes ganharam uma nova dimensão (pois cada “D” faz referência a uma dimensão). O nome adotado comercialmente foi escolhido para indicar que os filmes eram 3D e ainda estimulavam outros sentidos além da visão e da audição.

Para poder simular a interação entre o filme e a sala de cinema, as empresas responsáveis pela experiência dos sentidos extras tiveram de apelar para alguns novos aparelhos. Os mais óbvios foram dispositivos para liberar fumaça, jorrar água e aquecer o ambiente. Acontece que a experiência não estava satisfatória e por isso foi preciso adotar algo que interagisse mais de perto: as cadeiras especiais para cinemas 4D.

Na verdade, cadeiras desse tipo não são muito recentes. A Disney, por exemplo, já utiliza brinquedos com “tecnologia 4D” muito antes de falarem nos cinemas 3D. Não há uma data precisa de quando essas cadeiras surgiram, porém, temos a certeza de que as novas tecnologias para esses produtos vão revolucionar o entretenimento e trarão um novo nível de realismo para os cinéfilos.

Antes da cadeira

Como você já percebeu, o cinema 4D não depende apenas de um único objeto ou de uma simples tecnologia. O conjunto de recursos faz com que os filmes realmente saiam da tela e interajam com o público. E para que tudo seja possível é preciso que uma programação prévia seja realizada, afinal, os efeitos não são realizados ao vivo.

Para cada dispositivo existe um software que controla tudo, sincronizando o que aparece na tela com o que acontece na sala. E com as cadeiras 4D não é diferente. Tomando como exemplo os produtos oferecidos pela empresa D-BOX, é possível ter uma noção de como funciona a “construção” dos efeitos.

Em um primeiro momento, uma equipe visualiza o filme inteiro e adiciona os efeitos (o chamado "motion code") em um programa específico. Esse software é compatível com um aparelho que vai comandar os motores embutidos na cadeira. Cada efeito contém instruções quanto ao momento em que deve ser ativado e a intensidade que deve gerar para que o espectador sinta a ação do filme.

Por exemplo: em uma cena de ação podem ser adicionados diversos efeitos para simular os movimentos visualizados na tela. Um efeito acionará o motor de gravidade, dando a impressão de que a pessoa está em queda livre. Outro vai fazer a cadeira tremer em um terremoto. Um terceiro pode provocar pequenas vibrações, enquanto o personagem estiver pilotando um carro numa rua esburacada. E assim por diante; o leque de possibilidades é grande.

O assento recebe os efeitos

Depois que os efeitos são devidamente programados e sincronizados, tanto com o vídeo quanto com o áudio, o envio de informações fica por conta do controlador de movimentos. Esse aparelho não reproduz o filme, mas é responsável por se comunicar com o aparelho que está executando o longa, visto que ele deve sincronizar os efeitos com as imagens.

A fabricante D-BOX, por exemplo, comercializa equipamentos que funcionam em conjunto com um computador e outros que funcionam de forma independente. O modelo compatível com PCs é conectado à cadeira por meio de um cabo USB. Ele pode ser gerenciado pelo Windows e possibilita que a pessoa que cuida da reprodução realize ajustes finais antes do início do filme.

Já os controladores de movimentos da série “Standalone” funcionam com DVDs ou Blu-rays. Esses modelos trazem HD de 80 GB, portas para conectar até quatro cadeiras, conexão de rede e regulagem do nível de intensidade. A D-BOX não informa qual aparelho é utilizado nas salas de cinema, mas, em teoria, o modelo não afeta o resultado dos efeitos especiais. Vale salientar que os controladores de movimentos podem ser adquiridos para uso residencial.

Depois que os efeitos são enviados à cadeira, basta os motores executarem as atividades. A fabricante não informa quantos efeitos podem ser realizados simultaneamente, mas observando as demonstrações é possível perceber que dois motores podem ser ativados ao mesmo tempo.

As cadeiras 4D da D-BOX possuem reguladores de fácil acesso. Esses servem para que o espectador possa modificar a intensidade dos efeitos. Vale frisar ainda que os produtos da D-BOX possuem sensores para identificar quais cadeiras estão ocupadas, desse modo, os locais vagos não funcionam indevidamente.

Os filmes 4D já estão aí

Talvez você não esteja acreditando muito nesse papo, afinal, poucas notícias saíram quanto aos filmes que adotaram essa tecnologia. Em 2010, noticiamos que “Avatar” foi reproduzido na Coreia com tecnologia 4D, todavia, depois dessa notícia, poucos portais comentaram sobre outros filmes em 4D.