No futuro seremos péssimos motoristas; descubra o motivo

1 min de leitura
Imagem de: No futuro seremos péssimos motoristas; descubra o motivo
Imagem: Freepik
Avatar do autor

O cérebro foi construído para mudar de acordo com as experiências e pela forma como é usado. Um bom exemplo disso é no próprio esporte, em que o treinamento faz aumentar as habilidades devido à plasticidade cerebral que conduz e modela o cérebro para melhor desempenho.

Alguns estudos já revelaram perda em torno de 30% do campo visual em pessoas com 60 anos de idade e de 50% aos 80 anos de idade. Esse resultado tende a aumentar devido aos hábitos modernos e à plasticidade cerebral mediante ao campo de visão.

As pessoas passam várias horas por dia olhando para uma tela, onde as informações são mais interessantes e conduzem a um comportamento de rotina e constante. Tudo o que está fora desse campo de visão passa a ser apenas uma mera distração por ser menos relevante.

É como se o pouco que nos resta de vontade de olhar para o lado fosse apenas derivado de um instinto-reflexo autônomo. O estreitamento do campo visual causa a perda progressiva da habilidade de processar a informação visual do que está ao redor.

Os idosos sofrem mais acidentes de trânsito por essa razão, pela regressão do campo visual. Obviamente, há fatores cognitivos que também são determinantes para essa estatística, mas tratando-se do tema "campo visual" o estreitamento e a condição da visão resultam em estímulos mais lentos.

Se isso já acontece por causa da idade, agora aumentou devido ao avanço tecnológico. Imagine as crianças de hoje em relação ao campo de visão delas quando já estiverem na fase adulta e na velhice.

***

Fabiano de Abreu Rodrigues, colunista do TecMundo, é doutor e mestre em Ciências da Saúde nas áreas de Neurociências e Psicologia, com especialização em Propriedades Elétricas dos Neurônios (Harvard), programação em Python na USP e em Inteligência Artificial na IBM. Ele é membro da Mensa International, a associação de pessoas mais inteligentes do mundo, da Sociedade Portuguesa de Neurociência e da Federação Europeia de Neurociência. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), considerado um dos principais cientistas nacionais para estudos de inteligência e alto QI.

No futuro seremos péssimos motoristas; descubra o motivo