Projeto da Microsoft quer usar IA na resolução de crimes

1 min de leitura
Imagem de: Projeto da Microsoft quer usar IA na resolução de crimes
Avatar do autor

Estamos diante de mais uma patente envolvendo inteligência artificial, dessa vez relacionada a uma iniciativa da Microsoft. Se um arquivo encontrado recentemente servir como indicativo, a empresa de Bill Gates pretende utilizar essa tecnologia para ajudar na resolução de crimes.

A patente do projeto foi garantida à Microsoft em 21 de fevereiro, além de estar arquivada sob o número US2019057286 e ter sido preenchida no European Patent Office. O documento mostra que a ideia é treinar a IA para identificar sons de armas e, assim, tentar ler uma cena de crime e ter uma ideia de padrões e tipos de ferimentos para criar um perfil do suspeito.

Veja a seguir uma descrição de como o sistema funcionaria:

“Tecnologias são utilizadas para analisar cenas de crime usando machine learning. Modelos de armas de fogo, tipos e até mesmo armas de fogo específicas podem ser automaticamente detectadas por arquivos de áudio capturados ou transmissões contínuas de áudio usando técnicas de machine learning. A detecção também pode ser baseada em capturas de imagens paradas ou arquivos de vídeo. Mais informações, como layout da cena do crime, tipos de ferimentos e local destes, bem como informações similares podem ser entregues ao serviço de análise por captura manual ou automatizada. O número de armas de fogo usadas no crime também pode ser detectado, e tipos específicos podem ser associados a alguns casos criminais. Técnicas similares podem ser usadas para detectar e classificar tipos e quantidades de materiais explosivos”.

Vale mencionar que a simples garantia da patente não significa que veremos essa tecnologia no mundo real em breve — afinal, o registro não passa de um projeto que pode ou não ganhar vida em algum momento. Mas esse produto certamente seria bem útil para auxiliar a polícia em suas tarefas.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Projeto da Microsoft quer usar IA na resolução de crimes