Fazer com que um robô ande sozinho com suas próprias pernas já não é uma coisa tão fácil, ainda mais se ele tentar simular um humano — ou seja, um bípede. Isso porque é muito complexo mantê-lo em pé com apenas duas pernas, a exemplo de máquinas avançadas como o Atlas. Mas, a Universidade de Tóquio parece ter uma solução bem mais simples: rotores com hélices na cabeça da máquina.

O chamado Aerial-Biped não pode ser considerado totalmente bípede porque na verdade o projeto “trapaceia” para superar o desequilíbrio das pernas, balaceando o protótipo com o uso de um quadricóptero. “O objetivo é desenvolver um robô que tenha a capacidade de exibir a aparência da caminhada bípede com mobilidade dinâmica e proporcionar uma nova experiência visual”, conta a equipe, em entrevista ao IEEE Spectrum.

“O robô permite o movimento da marcha com pernas muito finas, como as de um flamingo, sem prejudicar a mobilidade dinâmica. Essa abordagem permite que usuários casuais possam coreografar robô bípede sem necessidade de experiência na área. Além disso, ele é muito mais barato comparado a um robô bipedal convencional.”

Veja:

O Aerial-Biped aprendeu a caminhar de forma mais convincente por meio do aprendizado de máquina, que emula um modo de andar mais realista — embora seja um sistema, em sua maior parte, aéreo. Ainda que seja algo pequeno perto de avanços da Boston Dynamics, não deixa de ser uma saída para estudos, parques temáticos e outras iniciativas menores.