Quem poderia imaginar que um sapato com raio laser poderia fazer tanta diferença na vida de pessoas com Parkinson? Foi superando esta fórmula inesperada que pesquisadores holandeses chegaram a um sapato equipado com um pequeno emissor de raio laser capaz de otimizar e tornar mais segura a caminhada dos pacientes.

O que está por trás do mecanismo

Um dos sintomas mais comuns à doença de Parkinson é o chamado congelamento de marcha.  De repente, a pessoa se vê incapaz de dar um passo à frente, apesar de querer seguir adiante. 

O sintoma pode durar de segundos a minutos, dependendo do caso. Além do desconforto e da inconveniência que o estado repentino de congelamento provoca, o sintoma pode causar na pessoa a perda do equilíbrio e queda.

Curiosamente, durante o congelamento, a pessoa pode ser capaz de superá-lo se concentrando em algo que esteja perto dos seus pés, o que ajuda a seguir com a sequência de passos. A existência de tracejados no piso ou linhas na calçada, por exemplo, são bastante funcionais. É claro que características assim não podem ser asseguradas em todos os ambientes. Sendo assim, o que poderia ser feito a respeito? 

Esta é a ideia por trás do sapato a laser. Segundo o projeto concebido pelos pesquisadores da Universidade de Twente, cada um dos sapatos carrega o pequeno aparelho responsável por projetar uma linha de raio laser em cerca de 18 polegadas à sua frente. É se baseando no desenho dessa linha que o usuário dará o passo. O laser se apaga enquanto o sapato se movimenta, então a linha é garantida pela projeção que está sendo feita pelo outro pé, e assim sucessivamente.

O que o resultado revela

O estudo foi realizado com 21 pacientes com Parkinson e chegou a um resultado interessante. O raio laser nos sapatos reduz cerca de metade dos incidentes provocados pelo congelamento de marcha. Mais que isso, o aparelho diminuiu mais da metade da duração dos congelamentos. A maioria dos pacientes afirmaram que seriam felizes se usassem os sapatos e jamais poderiam imaginar que uma linha projetada pelos próprios sapatos pudesse conter os problemas com o congelamento. O próximo passo da pesquisa, conforme afirma o grupo de pesquisadores envolvidos com o projeto, é desenvolver uma espécie de sensor que consiga ativar a funcionalidade do laser apenas quando o congelamento for detectado.