Você pode até ter uma smart TV na sua casa, mas será que ela é capaz de entregar tudo o que você precisa na hora de se divertir com sua família? Infelizmente, não! Muitas das televisões inteligentes da atualidade possuem bastante limitação em relação a recursos — sendo poucas as que trazem opções de entretenimento que vão além dos tradicionais apps já embarcados no sistema.

Por isso, muitos consumidores têm optado por outro tipo de transmissão. Estamos falando dos media centers, que podem servir para levar mais conectividade, entretenimento, funções adicionais e até mesmo games aos televisores. Quer saber mais sobre isso e também sobre os diferentes equipamentos que podem ser usados como media centers atualmente? Então confira agora mesmo tudo o que separamos neste artigo.

O que são os media centers?

Um media center (ou “central de mídia") é um dispositivo que funciona como um agregador para conteúdos multimídia. Ele facilita a reprodução e a localização de arquivos e documentos de vídeo, imagens, músicas e games, permitindo que famílias inteiras encontrem soluções de entretenimento em uma interface única e simples de ser compreendida.

Nesse segmento, existem diversos tipos de aparelhos que podem ser usados como centrais de mídia, e cada um deles traz suas particularidades e vantagens. Alguns são simples, outros trazem benefícios para quem gosta de aplicações pesadas e há até mesmo aqueles que exploram ao máximo a portabilidade e podem ser carregados dentro do bolso. Descubra agora mesmo as diferenças.

Set-top Box

Também conhecido como Power Box, esse tipo de equipamento funciona de um modo relativamente simples. Com um sistema operacional embarcado, ele pode ser conectado à internet ou a outros aparelhos para receber os conteúdos de mídia e fazer a transmissão deles em televisores de alta definição. Dessa forma, podem levar aplicativos já bem disseminados diretamente para a TV.

Alguns dos grandes exemplos que temos desse tipo de aparelho atualmente são a Apple TV e o Amazon Fire TV. Os dois dispositivos funcionam de um modo parecido para a transmissão de músicas, fotos e vídeos, mas há um diferencial que precisa ser destacado em cada um dos aparelhos.

A Apple TV possui integração total com o sistema operacional iOS, fazendo com que sua utilização seja muito mais bem aproveitada nos iPhones e iPads. A presença da Siri ainda permite que os comandos por voz sejam feitos com grande facilidade, e o microfone integrado ao controle remoto traz ainda mais facilidade nesse processo.

Por sua vez, o Fire TV, da Amazon, é uma solução bem legal para quem quer aproveitar conteúdo multimídia e jogos de alta qualidade. Isso porque o sistema pode ser integrado a um gamepad bem ergonômico e que leva controle total aos consumidores que quiserem se divertir em família. Ele também possui sistema de reconhecimento de voz.

Streaming Stick

Você já deve ter ouvido falar em alguns modelos bem legais de sticks para streaming, mesmo que nunca tenha sabido que eles fazem parte dessa definição. São aqueles dispositivos ultraportáteis que se parecem muito com pendrives, podendo ser conectados diretamente aos televisores para transformá-los em aparelhos mais inteligentes e conectados.

Chromecast 2

Nessa divisão, também existe um aparelho da Amazon que se destaca bastante. Trata-se do Amazon Fire TV Stick, que promete os mesmos resultados de vídeo e áudio do Fire TV mencionado anteriormente — mas que traz um hardware mais simples e, por isso, não conta com tanto desempenho para a execução de jogos.

Outro aparelho que é bem conhecido dos consumidores é o Google Chromecast. Assim como seu rival, ele pode ser ligado diretamente à porta HDMI da TV para fazer a conexão dos computadores, tablets e smartphones para as televisões. Graças ao grande número de apps disponíveis na Play Store, há também vários games casuais que podem ser jogados diretamente no aparelho — com opções para Android e iOS, mas mais numerosas no sistema da Google.

PCs e consoles

Se você possui um console mais recente — como os PlayStation 3 e 4 ou os Xbox 360 ou One  —, também pode fazer com que esses aparelhos sejam transformados em centrais de mídia. Graças às integrações de redes domésticas, é bem simples fazer com que os documentos de mídia dos computadores ou smartphones sejam levados para serem reproduzidos pelos video games.

Além disso, os quatro exemplos citados acima contam com aplicativos oficiais para os principais serviços de streaming da atualidade — incluindo a Netflix, que é oferecida para os consumidores brasileiros. Por fim, é preciso dizer que eles rodam games em alto desempenho e podem se adequar melhor às famílias que gostam desse tipo de entretenimento. Aqui neste link você encontra um guia bem legal para conectar seus arquivos aos consoles.

É fácil fazer com que os documentos de mídia dos computadores ou smartphones sejam levados para serem reproduzidos pelos video games

Outra solução interessante está na utilização de computadores dedicados aos conteúdos multimídia. Nesse caso, uma das melhores opções está na adoção de mini PCs para garantir uma melhor adequação estética aos ambientes domésticos — geralmente eles possuem dimensões similares às dos set-top boxes.

As grandes vantagens desses aparelhos estão na utilização de sistemas operacionais já conhecidos, o que garante facilidade no uso por parte de quem já está acostumado com PCs comuns. Por outro lado, vale lembrar que o uso de teclados e mouses pode tornar a experiência menos agradável.

Softwares essenciais

Caso você vá utilizar o seu PC como um media center, é bem interessante conhecer alguns aplicativos que podem ajudar bastante na integração dos arquivos. No caso do Windows, há duas opções que são consideradas as melhores da atualidade: Plex e XBMC. O primeiro deles conta com um sistema de organização completo e simples, sendo ainda compatível com serviços de streaming online. Já o segundo traz menos recursos, mas garante excelente controle sobre documentos locais.

A importância de uma rede bem estruturada

Qualquer que seja a sua escolha para o uso de media centers, é preciso ter em mente que você vai precisar disponibilizar um bom sinal de internet para o equipamento. Praticamente tudo o que você for reproduzir vai necessitar dessa conexão — e isso vale até mesmo para os arquivos locais que serão apenas reproduzidos a partir de equipamentos remotos.

Por essa razão, é mais do que essencial que sua rede de internet esteja preparada para o novo equipamento. Sempre que possível — no caso dos PCs e consoles —, opte por internet cabeada para garantir melhores resultados.  Caso escolha usar redes sem fio, é importante não possuir anteparos que possam servir de bloqueio entre o dispositivo e o roteador. Se possível, faça com que o roteador não fique longe da TV.

Sempre que possível, opte por redes cabeadas

Lembrando disso tudo, você certamente consegue manter seu media center sempre com um bom sinal de internet. Dessa forma, os conteúdos reproduzidos terão sempre a melhor definição possível e também devem se manter livres de travamentos e instabilidades — a menos que haja algum problema externo na internet, é claro.

......

Você usa uma central de mídia na sua casa? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: