Dinamarqueses deram sinal verde aos usuários de celular. (Fonte da imagem: )

Agora é oficial: o uso de celulares não aumenta o risco de o usuário desenvolver câncer no cérebro. O novo capítulo dessa polêmica – uma das maiores discussões envolvendo esse tipo de aparelho – é um estudo publicado na Dinamarca, que acompanhou a saúde de clientes de uma operadora local por 15 anos.

A pesquisa é uma parceria entre o Institute of Cancer Epidemiology a Danish Cancer Society e a International Agency for Research on Cancer (IARC). Foram pesquisadas 358.403 pessoas, das quais 10.729 apresentaram tumores depois de 15 anos de acompanhamento – 5.111 homens e 5.618 mulheres, o que corresponde ao número médio de pacientes que desenvolvem a doença normalmente.

Durante vários anos, os institutos coletaram dados pessoais para amostragem, assim como o desenvolvimento ou não de tumores. A conclusão foi que nenhuma ligação entre o uso do aparelho e o câncer foi detectada. O estudo completo pode ser acessado aqui.

Mas há algumas brechas na pesquisa: o estudo só leva em conta adultos que começaram a usar o celular depois da adolescência – se a doença se desenvolver durante esse período, portanto, ainda não há uma conclusão concreta. Além disso, ainda pode haver a formação de um tumor após os 15 anos de uso, já que o experimento limitou-se a esse período de tempo.

Cupons de desconto TecMundo: