A tradicional casa de leilões Sotheby's fechou uma parceria com outro importante nome, a RM Auctions, e resolveu abrir sua galeria. O local, que geralmente recebe quadros e outros itens artísticos, recebeu outros tipos de obras de arte: veículos antigos extremamente valiosos.

No último final de semana, o leilão "Driven by Disruption" ("Movido pela Ruptura") trouxe 31 carros clássicos para serem leiloados. Entre as opções, duas chamaram muito a atenção: o Porsche 356C de Janis Joplin, conhecido por sua pintura psicodélica feita por Dave Richards, e um dos quatro exemplares existentes da Ferrari 290 MM de 1956. O clássico de corrida foi desenhado pelo estúdio italiano Scaglietti, mas construído e pilotado por ninguém menos que Juan Manuel Fangio, pentacampeão da Fórmula 1.

Porsche de Janis Joplin passou os últimos 20 anos no Rock and Roll Hall of Fame, em Cleveland

O carro de Joplin tinha um valor estimado entre US$ 400 mil e US$ 600 mil , mas acabou sendo vendido por um preço que surpreendeu os organizadores: US$ 1,76 milhão. Se a quantia dada pelo Porsche foi considerada alta, o evento também registrou outro marco em 2015: a Ferrari de Fangio alcançou a marca de carro mais caro do ano depois de ser vendida por US$ 28 milhões.

Apesar do valor altíssimo, o emblemático carro de corrida não conseguiu superar a marca de uma "irmã" próxima, a Ferrari 250 GTO Berlinetta, leiloada no ano passado por impressionantes US$ 38,1 milhões – o veículo que detém o recorde absoluto de mais caro do mundo vendido em um leilão.

Quase lá: Ferrari 290 MM de 1956 foi vendida por impressionantes 28 milhões de dólares, ganhando o título de carro mais caro leiloado em 2015

Outro destaque do evento foi a venda de um Aston Martin DB4GT Zagato, de 1962, vendido por pouco mais de US$ 14 milhões – conquistando o título de carro britânico mais caro já negociado em leilões.

Qual foi seu carro favorito que leiloado no "Driven by Disruption"? Comente no Fórum do TecMundo