Um grupo de pesquisadores da Universidade Nankai, na China, está trabalhando em uma tecnologia de direção que não vai pedir de você o movimento de um músculo sequer para controlar seu carro. No lugar de segurar o volante, tudo o que você vai precisar fazer é colocar um leitor de sinais cerebrais na cabeça e pensar no comando para que ele saia pelas ruas.

Desenvolvido em conjunto da fabricante de carros Great Wall Motors, o veículo foi originalmente projetado pela equipe com o objetivo de ajudar pessoas debilitadas a se locomover. A ideia, segundo o Professor Associado Duan Feng, líder do projeto, é criar carros que possam nos servir melhor – o que pode ficar ainda mais eficiente, caso isso seja integrado a veículos de direção autônoma como o Google Car.

“O maior desenvolvimento de carros sem motoristas pode trazer mais benefícios para nós, uma vez que nós podemos realizar melhor funções relacionadas ao controle cerebral com a ajuda da plataforma de carros sem motorista”, disse Duan ao jornal Reuters. “No fim, carros, sejam com motorista ou sem, e máquinas estão servido às pessoas. Sob tais circunstâncias, as intenções das pessoas devem ser reconhecidas”, continuou.

Direção inteligente a um pensamento de distância

Caso você esteja se preocupando com possíveis acidentes que poderiam ser causados por um carro desses pela falta de concentração de uma pessoa, não se preocupe tanto assim. Como explicado pelo professor, o veículo não pede que seu motorista esteja completamente concentrado o tempo todo para não perder o controle; em vez disso, o carro mantém seu último comando, como “acelerar” ou “dar a ré”, até que um novo comando (este pedindo mais atenção do motorista) seja dado.

É claro que isso ainda pede uma boa dose de atenção, podendo resultar em muitos problemas caso a pessoa pense no comando errado. Mesmo assim, é algo que realmente pode ter grande potencial se implementado em conjunto de outras tecnologias de direção automatizada.

Assim como ocorre com a maioria das tecnologias mais ousadas, não há qualquer previsão de que esse sistema seja produzido para o mercado. Além disso, o mecanismo desenvolvido por Zhao é limitado a controlar o carro apenas para a frente e para trás ou parar, sem qualquer possibilidade de realizar uma curva, até o momento. Logo, mesmo se ele um dia sair dos protótipos, ainda teremos que esperar algum tempo para isso.

Você confiaria sua viagem ao sistema inteligente de um carro autônomo? Comente no Fórum do TecMundo