O chefe do sistema de ferrovias russo, Vladimir Yakunin, tem sugerido desde a última semana um plano de cooperação entre EUA e Rússia para ligar os dois países com um super-rodovia. A estrada seria construída às margens da ferrovia que corta praticamente toda a Sibéria e chegaria aos EUA pelo Alasca. Estender a ferrovia que já existe do lado russo também faz parte do plano de Yakunin.

Para ele, construir uma rodovia dessa magnitude através do Estreito de Bering significaria ligar o continente americano ao europeu/asiático e conectar por terra cidades como Nova York e Paris. Para ir mais ao extremo, podemos substituir a capital francesa até por Lisboa. Claro que fazer o caminho pelo Atlântico seria muito mais simples, mas as possibilidades de um trem percorrendo praticamente todo o hemisfério norte do planeta seriam imensas.

Yakunin acredita que essa conexão favoreceria a globalização e traria mais desenvolvimento econômico para as duas nações. Ainda assim, ele está longe de ser o primeiro a sugerir tal estrada. Na verdade, a possibilidade de ligar os EUA à Rússia já está sendo cogitada há quase dois séculos, mas ninguém parece ter se interessado financeiramente pela empreitada até o momento.

Fora isso, com as recentes hostilidades entre os dois países, é muito improvável que seus respectivos governos estejam dispostos a gastar bilhões de dólares em uma super-rodovia para se aproximarem por terra.