Se você é fã de F1, deve estar sabendo da recente polêmica causada pela troca dos motores V8 pelos Turbo V6. Estes são não apenas mais ecológicos do que seus antecessores como também se mostraram muito mais silenciosos por utilizarem um cano de escape a menos.

“Mas o que há de ruim nisso?”, você pergunta. Bem, parece que é justamente essa supereficiência que vem irritando muitos fãs: vários não gostaram do novo som do motor, que agora se parece muito mais com aquele de um veículo comum. A preocupação é tanta, de fato, que os organizadores do GP da Austrália afirmam que isso traz uma quebra de contrato; outros organizadores, por sua vez, dizem que isso vai ter graves efeitos nas vendas de entradas.

Felizmente para os insatisfeitos, parece que isso deve ser solucionado em breve, de acordo com o site Bem Paraná. A partir de hoje (13), a F1 deve começar a trabalhar em novas soluções para aumentar o ruído gerado pelos motores – é o caso, por exemplo, da Mercedes e de seu novo escapamento, apelidado de “Megafone”, que está em teste nas pistas de Barcelona.

"Para nós é muito simples. Se os fãs querem mais barulho e se isso faz com que os carros não apenas soem melhor como pareçam mais atrativos para os torcedores, faremos o que for preciso", afirmou Toto Wolff, diretor da Mercedes, em resposta às reclamações.

Fazer barulho agora é lei

Enquanto algumas equipes se preparam para testar o aumento de ruído, outras podem se ver obrigadas a fazê-lo em breve. Isso porque os mesmos organizadores citados anteriormente se uniram para emitir um comunicado quanto à situação: segundo eles, é extremamente importante que uma “solução” seja encontrada, para que isso não acabe se refletindo na queda das vendas de entradas.

Vale notar, porém, que a implementação disso pode não ser tão fácil, visto que o regulamento da categoria pede que todas as equipes estejam de acordo com a mudança para que ela passe a ser permitida.