(Fonte da imagem: Reprodução/YouTube (Horst Lüning))

Durante um discurso para consumidores e empregados da Tesla Motors, o cofundador da companhia, Elon Muks, foi categórico em seu julgamento sobre os carros movidos a células de hidrogênio: “Besteira”.

O comentário veio durante uma discussão sobre veículos elétricos como o Tesla Model S. “Há muitas pessoas que afirmam que os carros elétricos jamais vão vingar e que nós deveríamos queimar hidrocarbonetos para sempre”, disse Musk. “E, então, elas falam de certas tecnologias, como as células de combustível e, nossa, células de combustível são uma besteira muito grande.”

“Isso cai bem para foguetes, não para carros”

“Elas não acreditam realmente nisso”, emenda o executivo. “É algo puramente marqueteiro.” De qualquer forma, diversas companhias globo afora desenvolvem seus próprios modelos movidos a hidrogênio. De fato, fabricantes como a Toyota chegaram mesmo a considerar que não deve haver muito mercado no futuro para carros exclusivamente elétricos — considerando, entre outros motivos, a tecnologia relativamente inapta das baterias atuais.

Tesla Model S recarregando (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

Em réplica, Musk afirma que as células de hidrogênio, “na melhor das hipóteses”, não conseguem se igualar ao que é oferecido pelas baterias de lítio, em termos de custo e variedade.

Ele também chama a atenção para os inconvenientes logísticos, surgidos da necessidade de se estabelecer um sistema de distribuição altamente custoso — concluindo, por fim, que o hidrogênio é sumamente perigoso para o consumidor, por ser inflamável. “Isso cai bem para foguetes, não para carros.”

O futuro do Model S

O cofundador também aproveitou a ocasião para revelar os novos planos para o Model S. Musk afirmou que espera liberar o sistema integrado de informação e entretenimento (infotainment) do modelo para fabricantes independentes.

Tesla Model S: no futuro, com Android e Google Chrome (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

O Model S possui atualmente um computador integrado com tela de 17 polegadas, tudo movido a Linux. Para o futuro, a Tesla considera a inclusão de um emulador de Android — além da adição do Google Chrome como navegador default, o que deve ocorrer ao final de 2014.