Todos os carros da F1 usam pneus de alta performance. (Fonte da imagem: Reprodução/CNN)

Por enquanto, todos os carros que você encontra na rua utilizam pneus — eles são os responsáveis por fazer com que a roda entre em contato com o chão de maneira estável, ou seja, sem gerar muito calor e aderindo ao asfalto. No entanto, você chegou a parar para pensar em como os pneus de alto desempenho são?

Caso você já tenha visto provas de Fórmula 1 ou de qualquer outra categoria, deve ter notado que a aparência dos pneus especiais é muito semelhante à de componentes “de rua”. Contudo, a parte interna é consideravelmente diferente, com modificações para aguentar grandes velocidades, atrito extremo e constante, assim como altas temperaturas.

Se isso não acontecesse, os carros de corrida iriam contar com pneus que simplesmente se desmancham depois de algumas voltas. Para você ter uma ideia, algo assim já acontece com os componentes de alta performance, resultando no que é comumente conhecido como “efeito macarrão” — que nada mais é do que o momento em que a borracha começa a se desfazer em tiras.

Explicando em detalhes

(Fonte da imagem: Reprodução/UOL)

A parte mais interna do pneu de alto desempenho é bastante simples: uma armação de metal dupla, parecendo dois arames circulares. A função disso é a de fixar o pneu firmemente à roda do veículo, sem espaço para desencaixes. Com o objetivo de proteger e aumentar a resistência, os “arames” são envolvidos por uma camada de borracha muito dura e resistente, o que também melhora a aderência da armação ao metal e forma a parte lateral do pneu.

Em seguida, há uma espécie de cinta feita de ferro e que une os dois “arames” citados acima, dando o formato inicial do pneu — estrutura é feita de modo que os sulcos do ferro sejam horizontais. O objetivo é aumentar a estabilidade do componente, através de uma maior resistência, e servir de base para a próxima camada.

A penúltima parte é feita de várias camadas de ferro, com sulcos feitos na vertical. Como você deve ter imaginado, ela é usada para reforçar mais ainda toda a estrutura do pneu e também para fazer com que ele fique mais resistente a diferentes tipos de impacto — como pedras ou desníveis no meio do caminho.

Por último e fechando todo o pneu, há a visível camada de borracha — e quanto maior for a sua área de contato com o solo, mais estável o veículo vai ficar. Além disso, essa parte conta com sulcos profundos e de diferentes tipos, que têm o objetivo de escoar qualquer líquido que possa prejudicar a aderência da borracha com o asfalto.

Inteligente, não é mesmo?