Carros autônomos, que funcionam sem motorista ou que podem ser controlados via iPhone, já não são mais novidades nos dias de hoje. Aqueles híbridos, movidos a energias elétrica, solar e a biocombustível, também não causam tanto alvoroço quando anunciados pelas montadoras.

E, mesmo com veículos capazes até de ficar invisíveis, parece que o que realmente chama atenção do grande público são os carros anfíbios. Eles podem sair de uma estrada esburacada qualquer e cair de para-choque em um lago. E por que eles são tão populares? Como resposta, poderíamos pensar no seguinte: se você domina alguns conceitos de mecânica, basta meter a mão na lata!

A vontade de “dirigir sobre as águas” é antiga e, justamente por esse desejo ter saído do papel, o Tecmundo listou alguns dos modelos capazes de enfrentar até a mais terrível das enchentes de uma grande São Paulo, por exemplo.

“Canoas motorizadas”

É difícil afirmar com precisão qual foi o primeiro motorizado do tipo. Mas, segundo o portal Carro Antigo, um quatro-rodas movido a vapor construído por Oliver Evans em 1805 já possuía a habilidade de navegar. De acordo com Hanns Trippel, um apaixonado pela história dos automóveis que também flutuam, é possível encontrar registros datados de 1899 sobre a construção desses modelos.

Este protótipo foi construído durante a década de 1930. (Fonte da imagem: Blog Hemmings)

Os primeiros veículos capazes de andar tanto na terra como na água se pareciam com “canoas motorizadas”; a maioria deles era feita à base de madeira, e o design dos carros lembrava muito o desenho de barcos. Como exemplos, podemos citar os modelos Richmond (cuja construção dos protótipos foi iniciada em 1905, nos EUA) e Amphi II (de 1909, também norte-americano).

Amphicar: o anfíbio civil

Até a década de 1930, os carros anfíbios possuíram basicamente aquele formato (o de barcos com rodas). Depois da construção do divisor de águas Versuchswagen 4 Trippel em 1936, o design desse gênero de veículos começou a ficar mais ousado.

Apesar da ousadia no design, o Amphicar não emplacou. (Fonte da imagem: Retro.Net)

Eis então que surge o Amphicar (feito de 1961 a 1967 em Berlim), o primeiro anfíbio civil a ser produzido em série. O carro foi distribuído nos mercados europeu e norte-americano – foram produzidas 4,5 mil unidades do veículo, mas, devido ao preço altíssimo dele, o modelo acabou não conquistando muitos fãs.

É hora de mudar

Uma modificação no Skoda S 100 feita na República Tcheca em 1984 converteu o clássico em um anfíbio. Certamente inspiradas pela iniciativa de comércio do Amphicar, as mudanças nos padrões de design a partir dos anos 1980 foram claras: os protótipos anfíbios passaram a deixar de lado aquela aparência esquisita.

Uma modificação no clássico S 100 o fez poder flutuar. (Fonte da imagem: Freepublic.com)

Sem mais chassis que lembram tanques de guerra ou designs inspirados em desenhos de barcos. Era a vez de experimentar criar modelos ao mesmo tempo dinâmicos e esteticamente atraentes.

Quatro rodas sobre as águas

A primeira aparição do Racoon, da Renault, se deu em 1992 por meio de um vídeo promocional. O carro prometia andar com igual facilidade sobre a terra e por cima da água. No ano seguinte ele foi realmente apresentado, contando com um motor V6 e tendo como porta de entrada o capô dianteiro.

Não é prudente afirmar que apenas depois de 1993 é que a popularização dos carros anfíbios finalmente aconteceu. Antes mesmo desse ano, algumas montadoras já tinham divulgado e usado alguns protótipos (como no caso da VW durante a Segunda Guerra Mundial com os modelos Type 128 e 166 Schwimmwagen).

Sobre inovação e ousadia, podemos citar agora outros carros anfíbios que provocam o público e fazem com que a imaginação se mescle com a realidade: as máquinas do agente 007 estariam disponíveis a alguém sem permissão para matar?

sQuba: o carro que voa debaixo d’água

Em 2008, o mundo viu as promessas do cinema saírem da tela. Durante o evento Geneva Motor Show, o sQuba foi apresentado. O vídeo promocional é épico: desde a atuação do que parece ser um agente secreto até o foco sobre os mínimos detalhes do carro.

O carro pode ir até dez metros debaixo d’água e dispõe de um kit de mergulho para cada um dos dois passageiros do vídeo. A energia do anfíbio é gerada a partir de baterias recarregáveis, sendo que a iluminação dele é toda em LED. Além disso, o carro conta com sensores inteligentes de movimento e comandos por controle remoto.

Sea Lion: o peixe prateado das estradas

Este carro pode chegar facilmente aos 200 km/h em terra, uma vez que é impulsionado por um motor rotativo Mazda 13B de 1974 equipado com duas usinas adicionais de força – na água ele é capaz de atingir com tranquilidade os 100 km/h. O carro é todo em alumínio, e o design dele é extremamente aerodinâmico.

O Sea Lion possui peças articuladas: é possível alterar os padrões de inclinação dos “para-lamas” com um simples ajuste. No ano passado, ele foi comprado por nada menos que US$ 250 mil (cerca de meio milhão de reais).

Phyton: luxo, velocidade e lata molhada

O criador desta máquina diz que o Phyton é “o que há de mais avançado no mundo dos carros anfíbios”. Podendo chegar a 96 km/h em 4,5 segundos, o veículo conta com um motor Corvette LS e, também nas palavras do inventor deste motorizado, “é construído com os melhores materiais que o dinheiro pode comprar”.

O carro, que pode ser encomendado e construído sob medida, pode custar quase 300 mil reais. Como diz o próprio construtor do Phyton, “essa máquina não é para aqueles que têm problemas de coração.”

Scamander: para qualquer terreno

Ele encara lama, estrada e pode – é claro – flutuar sobre a água. O carro, projetado por Peter Wheeler e Harry Metcalfe, tem um motor V6 de 300 cavalos de potência. Gigantesco, o Scamander foi desenhado para encarar os mais diversos tipos de terrenos.

Esta máquina, que conta com um visual futurista e elegante, pode chegar a 193 km/h. No vídeo, Metcalfe submete seu protótipo a situações que pouquíssimos carros poderiam suportar – certamente a maioria deles afundaria quando colocados à última prova: navegar sobre um lago.

Viking-2992: russo, e isso é tudo

Ele não é o mais rápido, nem o mais elegante. Mas só por ser russo o Aton Impulsive Viking-2992 já impressiona: é um 4x4 que pode chegar a 15 km/h na água e a 80 km/h na terra. Este gigante foi desenvolvido especialmente para trabalhos industriais e pode ser uma boa alternativa para quem busca soluções rápidas (mas não tão convencionais) de transporte.