A Toyota anunciou, na semana passada, que o sistema de infoentretenimento da versão 2018 do seu luxuoso sedã Camry agora terá como base o Linux – ou, melhor dizendo, sua contraparte automotiva, conhecida como AGL (Automotive Grade Linux), um SO de código aberto que é hospedado pela The Linux Foundation.

O modelo da marca nipônica é o primeiro carro de produção a ser equipado com o sistema do Pinguim e pode ser considerado um marco importante para o AGL, visto a popularidade do carro, principalmente nos Estados Unidos.

A função da central é basicamente a mesma: mostrar informações pertinentes ao carro, dados de navegação, funções de telefone e multimídia e outros aplicativos, mas tudo isso é feito de forma fragmentada, visto que cada montadora desenvolve sua própria plataforma atualmente. No caso do AGL, a ideia é que ele sirva como um sistema operacional unificado e compatível com diversas centrais, poupando engenheiros de softwares automotivos do trabalho de desenvolver aplicativos que sejam compatíveis

Do lado da Toyota, o seu sistema Entune oferece boa parte do “tratamento padrão” de um módulo de infotainment, com compatibilidade com alguns aplicativos de terceiros, como é o caso do Yelp. Nesse caso, a mudança para o AGL pode garantir que a montadora não tenha mais que se preocupar em desenvolver um novo sistema praticamente do zero a cada lançamento, visto que uma atualização de software pode ser o suficiente.

Além disso, a nova plataforma vai permitir a integração com mais apps através do que a marca nipônica vem chamando de App Suite Connect, mas ainda não foram divulgados quais serão os novos aplicativos compatíveis.

Nas versões mais básicas do Camry lá fora, os clientes poderão usar o aplicativo Scout para navegação através do smartphone, enquanto as versões mais completas virão com a função embutida na própria central do carro e que será atualizada de forma contínua através de uma rede 4G/LTE compatível – que também permitirá que o carro sirva como um hotspot Wi-Fi para seus ocupantes.

Fechando o pacote, o AGL também conta com compatibilidade com Android Auto e Apple CarPlay, embora a Toyota não tenha confirmado se irá fornecer essa opção em seu sistema de infotainment.

Ainda assim, vale lembrar que não é a primeira vez que um sistema operacional baseado em UNIX é utilizado pela indústria automotiva: uma variante chamada QNX, da BlackBerry, já foi utilizada em diversos modelos e serve de base, inclusive, para o Sync 3 da Ford.