Por mais que a tecnologia avance, algumas coisas nunca vão mudar: cocô de passarinho, por exemplo, sempre vai ser um incômodo pros donos de carros – e isso não diferente para os carros autônomos.

Assim como uma porção de fezes do tamanho de uma pizza extragrande atrapalharia sua visão caso caísse no parabrisa do seu carro, se um ser voador resolve defecar sobre um desses sensores, eles não conseguem fazer o mapeamento preciso do ambiente em torno do carro. É aí que a Google, através da sua empresa-irmã Waymo, entrou em ação e desenvolveu uma solução muito maneira: limpadores de LiDAR.

A ideia por trás do eliminador de cocô aéreo é apenas uma das várias soluções de hardware que a Waymo vem trabalhando para suportar o desenvolvimento de sua tecnologia de direção autônoma – e essa foi uma forma que eles encontraram para que os humanos não tenham que se preocupar em fazer a manutenção do sistema de processamento de imagens também.

Mais do que a limpeza: é sobre confiança

Não só isso: a empresa também quer encontrar uma forma de fazer com que as pessoas confiem mais nos veículos autônomos também. Kathy Rizk, diretora das consultorias automotivas globais da J.D. Power, disse em uma entrevista para a Bloomberg: “As pessoas não confiam que a tecnologia vai funcionar 100% do tempo. Como você vai confiar em algo que vai tomar conta do carro todo?”

Considerando que 90% dos acidentes são causados por falha humana, esse já deveria ser um argumento e tanto. Ainda assim, o desenvolvimento de tecnologias com os limpadores dos sensores LiDAR são coisas pequenas que podem fazer uma grande diferença quando começarem a surgir argumentos que, aparentemente, não fazem o menor sentido – mas que tem um grande impacto caso sejam a causa para qualquer problema.