Você já deve ter visto inúmeras notícias e matérias sobre carros autônomos aqui no TecMundo e também deve ter percebido que a maioria deles utiliza um sensor externo, em formato cilíndrico, geralmente localizado no teto do veículo.

Ele é o chamado LiDAR, ou Light Detection And Ranging, que utiliza um laser que é emitido, rebate nos objetos e retorna para o sensor, que, com base nisso, calcula a distância dos objetos e consegue “projetar” o ambiente em torno do carro.

Esse laser é pulsado em 360 graus graças a um conjunto de lasers presos a um eixo vertical giratório que fica dentro do sensor – e é justamente ele que está na mira da Velodyne, especializada em LiDARs e determinada a criar uma peça mais prática, eficiente e estática.

A empresa, sediada no Vale do Silício e inventora do sensor, anunciou que o novo sensor Velarray será um módulo menor, que utilizará uma estrutura fixa de emissores e receptores de lasers, desenvolvidos especificamente para carros autônomos.

O novo sensor conseguirá fazer uma projeção em um arco de até 120 graus e com um alcance de 200 metros. Isso significa que, no lugar de apenas um LiDAR giratório convencional, serão necessárias múltiplas unidades para ter a mesma cobertura em um único carro, com a vantagem de que não há um impacto tão grande no design.

Vale apontar que geralmente o LiDAR é apenas uma das ferramentas que são utilizadas pelos veículos autônomos para “enxergar” seus arredores e, com base nisso, conseguir andar e tomar ações reativas sem a necessidade de intervenção por parte do motorista.

Algumas montadoras, como é o caso da Tesla, preferem não utilizar o sistema e recorrem a um conjunto de radares a lasers estáticos e câmeras para se guiar. Isso acontece porque o LiDAR custa mais caro para instalar e a estrutura externa inviabiliza sua adoção em veículos de produção.

A Waymo, empresa “irmã” da Google por também pertencer ao grupo Alphabet e responsável pela condução do projeto de carro autônomo iniciado pela gigante de tecnologia, já buscou uma forma de fazer com que a produção do sensor fique mais barata.

O Velarray não teve preço especificado, mas a Velodyne disse que ficará “nas centenas de dólares”, ainda sem data estimada para lançamento.